26 janeiro, 2016
Por Katia Ouang

De volta no tema “ O que me deixa louca na maternidade” , hoje falo de mais algumas coisinhas que acontecem na minha rotina com as meninas e que me enlouquecem na maioria das vezes.

Como as manias e birras oscilam com uma certa velocidade ( ainda bem!), esse assunto sempre voltará por aqui!

Quem está no miolo do furacão do tão falado “terriblo twos” é a Manuela. Tudo é difícil, e ainda complica com ela que é uma fera, e quando cisma com alguma coisa, sai de perto.

A Bruna por outro lado melhorou muito em comportamento. E as birras e malcriação também estão aos poucos diminuindo… Sim, há luz no final do túnel! Não desanimem!

Vamos então aos principais motivos da minha irritação atualmente!

Hora de vestir da ManuelaSe eu achava que tinha problemas com a Bruna, estou em um pesadelo com a Manu. A pequena tem 3 anos e simplesmente não veste nada que não queira. Obviamente já entrou na fase que menina só veste saia e vestido, então shorts e calça nem vale a pena comprar a briga. A Bruna foi igualzinho. Só que com ela tinha negociação. A Manu simplesmente cisma que quer colocar um vestido de lã em pleno verão e não há quem convença ela que vai passar mal de calor.  Ela além de só querer usar saia e vestido,  tem que necessariamente escolher qual vai vestir. Então todo dia é uma guerra, uma gritaria ( sim, ela grita) e ainda endurece o corpo todo se você tenta vestir algo que ela não queira. Dentro desse tópico vale um destaque especial ao sapatos, que ela só usa um douradinho de couro. Nem tente colocar outro que é perder tempo e paciência. Enquanto esse sapato não furar, não vai ter jeito!

Lata de lixo em porta de elevador -Eu não sei se são só as minhas filhas ou de vocês também , mas elas colocam a mão em TODAS latas de lixo que ficam na porta de elevador. Se tiver aquela areia ou pedrinha branca então, aí nem pensa em pedir para não colocar as mãos que só falta  trazerem o balde e a pá para brincar. Fico louca com isso e não consigo fazer elas entenderem que é sujo e nojento.

Não comer pizza – Isso já virou perseguição para mim. A Bruna nunca comeu pizza, não tinha quem conseguisse a convencer de provar. Enquanto isso a Manu desde bebezinha amava. Com 1 ano e meio comia 2 pedaços sozinha! Até que virou tudo ao avesso. Do nada a Bruna experimentou uma pizza e amou (já faz 1 ano), e hoje come quase todos os sabores principais, e a Manu cismou que não gostava mais de pizza! Não come de jeito nenhum. O que me impede de sair com elas para uma pizzaria pois sempre uma das duas não comia. Quer ser mais anti-social do que não comer pizza?!

Chupeta – Esse é um tema que merece um post especial só para ele. Sofri muito na retirada da chupeta da Bruna, e conforme se aproxima para a Manu, parece que cada vez mais ela esta viciada e quer chupar 24hs por dia. É só chegar em casa para ir correndo pegar. Se eu não deixo, não para de chorar. E como eu trabalho em casa, acabo cedendo para ter um pouco de paz. Sei que não é a melhor opção mas também sei que estão com os dias contados, já que meu limite é 4 anos assim como foi para a Bruna.

Imprimir desenho – Vocês já cansaram de ver no meu instagram as meninas desenhando ou pintando. De fato é uma das coisas que as duas mais amam fazer. E eu super estimulo. O problema é que elas passam o dia todo pedindo para eu imprimir algum desenho,  e vira uma eternidade. As duas passam horas olhando a tela até escolher qual elas querem . E é claro que isso sempre acontece quando estou super atrapalhada com coisas de trabalho e precisando usar o computador para outras coisas.

Entrar no carro – Outra parte do dia que tem sido um perrengue. Primeiro porque elas saem correndo para ver quem chega primeiro no carro e quase sempre uma delas tropeça, cai e é aquele berreiro. Depois qual porta eu vou abrir primeiro. Se eu abro a da Bruna, a Manuela chora, e vice versa. E por fim, em qual delas eu vou colocar o cinto primeiro. Agora cá entre nós, mãe de 2 ou mais filhos, tem coisa mais chata que o processo de por e tirar do carro?! Abre uma porta, abre outra, coloca cinto em uma, depois na outra, da a volta no carro, fecha as portas….

Não deixar eu falar com outra pessoa – Isso além de eu morrer de vergonha, me tira do sério. Sabe quando você sai com as crianças e encontra algum conhecido? Para mim basta cumprimentar que elas começam ” Mãe , vamos embora”, “Mae quero comer”, “Mãe to cansada”, Mãe, Mãe Mãe….!!!! Não consigo trocar 2 palavras com a pessoa que elas atormentam tanto, que realmente o melhor a fazer é deixar para conversar uma outra hora.

Escondem meus elásticos – Comprar aquelas cartelinhas com elástico de cabelo já entrou praticamente na minha lista de custo fixo . Nunca que preciso de um elástico, consigo achar. As meninas pegam todos, escondem, usam de pulseira, colocam nas bonecas…. AAAAAAAAH !!

Hora de Rezar – Desde pequena eu rezo com elas antes de dormir. Eu rezo ,e elas rezam junto. Só que agora elas cismaram que cada uma quer rezar sozinha, em voz alta, e comigo do lado. Então vocês podem imaginar que eu quase durmo até cada uma terminar o seu turno. E que ninguém fale ou interrompa quem estiver rezando, pois se isso acontecer, elas param, olham para mim, e dizem; Mamãe, vou ter que começar de novo!  E chega a noite, a gente cansada, louca para que as crianças durmam, muitas vezes respiro fundo e falo: Ok, então começa de novo!

 

E vocês, se identificam com algum desses tópicos???

 

Quem quiser rever os outros posts desse tema, clique AQUI !

 

Comentários 12

10

21 setembro, 2015
Por Katia Ouang

De volta com um pouco de humor para começar a semana, hoje tem mais uma parte do “O que me deixa louca na maternidade”. Coisas que as meninas fazem com frequência e que me tiram do eixo. Algumas delas podem já ter aparecido em algum dos posts antigos, mas provavelmente me irritam tanto que eu preciso desabafar novamente!

Vou começar com a  TOP da lista e que não vejo muita solução ou luz ao final do  túnel:

– Acordarem muito cedo. Já tentei de tudo; deixar o quarto sem 1 fio de luz pela manhã, já coloquei para dormir bem mais tarde, já dei chá de camomila, não adianta. O reloginho das duas desperta sempre na mesma hora e nunca após as 7 da manhã. Durante a semana ok, mas aos finais de semana é de enlouquecer não?! Mas o ponto que mais me enlouquece é que quando uma delas acorda, já acorda a outra e começam a me puxar pedindo para eu fazer o Toddy, ligar a televisão, não há piedade com a mamãe aqui. Eu sou uma pessoa bem humorada, mas antes das 7 da manhã sou a pior pessoa do mundo.   Morro de inveja das minhas amigas que os filhos acordam as 10 da manhã. Que sonho!

– Colocar uniforme. Cada uma tem 1 vestidinho da escola, o resto são calças e camisetas. Agora tenta colocar vestido em uma e na outra não? Tenta explicar as 7 da manhã que o vestidinho de uma está lavando ou precisa passar?

– Cinto do carro. Entra ano, sai ano e esse continua uma das coisas que mais me irritam. Seja para por , para tirar e também porque elas tiram sozinhas para fazer malcriação. E a preguiça que é sair com duas crianças e ir parando em diversos lugares. Abre a porta de um lado, senta uma, coloca o cinto, dá a volta, abre a outra porta, coloca o outro cinto…. Juro que tenho muita preguiça desse processo todo… Fora que diariamente a Manu empaca na hora de descer e fica brincando de fugir por dentro do carro. Ela morre de rir, acha a maior diversão. Agora imaginem minha cara quando estou com pressa e ela não desce do carro?

– Secar o cabelo. Nenhuma das duas gosta de secar o cabelo com secador e tenho que travar uma  verdadeira batalha com elas. Gritam, choram, empurram o secador…. haja paciência!

– Elástico no cabelo. Nem todos os dias eu lavo o cabelo das meninas. Mas como o da Bruna é muito comprido, faço um coque com um elástico ( pois touca ela arranca). Só que ao sair do banho ela não pode esperar 1 minuto para tirar esse coque, e sempre arranca o elástico e solta o cabelo em cima das costas molhadas, nem espera eu secar

– Tralha no carro. Tudo bem que carro de mulher já é uma bagunça. Mais ainda carro de mulher com filhos. Mas vocês também tiram um saco gigante de lixo todo dia do carro? As meninas tem um poder de acumular tralhas que fico impressionada. Vão levando as coisas para o carro, desde brinquedinhos até canetinhas, lápis, e vai juntando tudo como se fosse um deposito.

– Sentar no chão de elevador . Não sei de onde elas aprenderam a sentar no chão do elevador de casa e não consigo  tirar essa mania delas. É só entrarem para correrem sentar cada uma em um canto. O pior é que fazem isso nos elevadores de shopping, lojas,…. uma mania super higiênica  #sqn !!!!

– Atrapalhar outras pessoas. Isso inclui abrir as cortinas de provadores em lojas e olhar por baixo ou pela fresta das portas de banheiros. Tudo bem que criança ama fazer isso, mas as “vitimas” não acham graça alguma nessas brincadeiras.

– Me deixar falar no telefone. Parece que elas tem um dispositivo que aciona quando eu digo alô e começam a me chamar, pedir alguma coisa, chorar… Nunca mais consegui falar ao telefone quando elas estão por perto.

– Não cumprimentar . Essa é uma das coisas que mais me irritam e me envergonham. Não consigo chegar ou sair de algum lugar sem ter que implorar para que elas cumprimentem as pessoas e digam tchau. Dar um beijinho então, esquece. E pior quando eu falo: Filha, vai dar um beijinho na amiga da mamãe… e elas saem correndo e nem olham para a pessoa. Não é por  falta de eu tentar ensinar a serem educadas, mas parece que isso ainda vai demorar um pouco….

 

E vocês, se identificam com alguma dessas situações? Aguardem que não parei por aqui….ainda teremos mais partes!

E quem quiser rever os outros posts desse tema: ParteI, Parte II e Parte III !

 

Beijos e boa semana!

*K*

 

 

 

Comentários 2

5

28 abril, 2015
Por Katia Ouang

 

Devido ao sucesso do post ” O que me deixa louca na maternidadeParte I e II, resolvi fazer mais uma parte. E pelo decorrer das coisas em casa, acho que esse não será a último não, ainda vem mais posts sobre isso aqui no blog!

O terrible two está forte na Manuela e ainda não acabou na Bruna. Então vocês podem imaginar como eu fico doida as vezes. A Bruna é manhosa e mimada , mas mais tranquila para negociar. A Manu é uma criança bem resolvida; independente, topa tudo, mas se ficar nervosa, aí parte para ignorância e não tem conversa.

Com isso relacionei mais uma série de coisas que me enlouquecem na rotina como mãe e que com certeza vocês vão se identificar. Começando com a top que não sai da minha lista:

– Acordar muito cedo! Meu Deus, será que alguém pode explicar para essas meninas que é tão bom dormir até mais tarde… Essa de que         ” com o tempo a gente acostuma” não rolou comigo. Depois das 7 eu me arrasto, mas sei que é normal. Mas quando essas meninas resolvem acordar as 6 ou até antes disso, preparem-se para ver uma pessoa que não consegue achar graça nenhuma , e mesmo elas vindo carinhosas e cheias de energia, a única coisa que passa pela minha cabeça é falar; voltem para a cama, pelo amor de Deusssssssssssss!!!

– Limpar os ouvidos: Sinceramente, estou quase tirando essa função da rotina de higiene das meninas. É começar uma guerra toda vez que elas me veem com um cotonete na mão. A Bruna com muita negociação ainda consigo limpar um pouco. Mas a Manu, só depois que dorme e mesmo assim, se ela acordar, sai de perto.

– Sumir com as minhas canetas. Montei uma estação de trabalho na minha casa e sempre deixo um porta lápis com canetas e post-it para anotações. Parece que mesmo tendo todos os lápis e canetinhas possíveis, elas querem usar a minha velha e boa  BIC azul. Basta eu comprar novas ( toda semana), colocar no porta lápis, que aciona um sensor e elas pegam, escondem e perdem. Pois nunca vi perderem tanta caneta. Elas simplesmente desaparecem de casa.

– Colocar para dormir. Sim, esse item já apareceu no post parte I. Mas se eu já não tinha muita paciência quando era só a Bruna, imagina agora que são duas e que dormem no mesmo quarto. Tenho que por uma de cada vez pois a Manu só dorme com luz apagada, porta fechada e história ( ainda bem que aquela do sorvete ainda funciona bem por aqui – veja post) e a Bruna com porta aberta, luz do corredor acesa e sem barulhos. Eu mereço! Já tentei otimizar colocando as duas ao mesmo tempo, mas é pior.

-Brigas entre elas. Na maioria das vezes causada pela Bruna que quanto mais cresce, mais ciumenta fica. O problema é que aí ela provoca a Manu e essa não deixa barato. Resolve revidar e bate, arranha, não tem medo. A questão é que elas decidem fazer isso no carro quando eu estou dirigindo, quando eu tento falar com alguém no telefone, quando encontro alguma amiga, na porta da escola… e aí eu tenho que me conter e tentar amenizar de uma maneira pacífica, algo impossível.

– Dar banho no vestiário da natação. Se tem algo que me irrita é ter que dar banho em um lugar que não seja nossa casa. Fora que o chuveiro é daqueles que a criança fica mais alta e que facilita para a nossa coluna , mas acabo tomando um banho também e saio de lá encharcada. Já preferi dar banho em casa mas cheguei a conclusão que é melhor trazer ela já pronta para jantar.

– Quando me xingam ou falam algum palavrão. Sim, nós tentamos a todo custo evitar que nossos filhos tenham contato com palavras inadequadas. Mas não adianta, eu mesma quando fico fora de mim acabo falando o que não devo. Mas agora elas aprenderam a falar ” Sua Chata” “Sua Boba” e usam alguns termos que me deixam louca. Vocês que tem filhos no terrible two e estão achando difícil a fase de birras, vão ver quando te xingarem a primeira vez. Nada que me enlouqueça mais que isso.

– Levar as meninas comigo na Padaria. Vira e mexe eu acabo na padaria para comprar pão ou algo que faltou em casa pois fico com preguiça de ir no supermercado. Mas é só por os pés lá que começa; Mãe me compra um sorvete? Mãe me compra um pirulito? Mãe me compra a padaria inteira? AAAAAAAAAAAAH ! O pior é que basta falar não para se jogarem no chão ou pegarem alguma bala do balcão e saírem correndo falando que não vão devolver.

 

Ufa, por hoje está bom não?!

Com vocês também é assim?

E me acompanhem no SnapChat ( minhasdikas), estou adorando poder mostrar um pouco mais do meu dia de uma maneira mais informal!

1 Comentário

4

6 outubro, 2014
Por Katia Ouang

mom_yelling

 

Devido ao sucesso do post ” O que me deixa louca na maternidade“, resolvi fazer mais uma parte. Afinal de contas , quanto mais as crianças crescem, mais elas tem o poder de fazer coisas que nos irritam.

O terrible two chegou na Manuela, mas não acabou na Bruna. Então vocês podem imaginar como eu fico com as duas juntas.

Com isso relacionei mais uma série de coisas que me enlouquecem como mãe!

Vamos lá! Vou começar com o top mais irritante para mim:

Acordar já dando bronca- Esse é o que mais me deixa louca. A Bruna vem para a nossa cama todas as noites de madrugada. Aí ela acorda e já começa a aprontar. Ou ela acende todas as luzes do quarto, ou abre a janela, ou começa a falar ( ou melhor, gritar) que está com fome ou ela corre para o quarto da Manu e acorda ela. Em qualquer uma das situações eu quase me jogo da cama de susto e tenho que sair correndo para apagar o incêndio. Tem algo mais mau humor do que isso? As poucas vezes que eu abro os olhos e vejo que ela ainda está dormindo , é o dia mais bem humorado da semana para mim disparado!

Tirar o sapato – Já contei para vocês que as meninas sempre andaram descalças pela casa. Mas agora elas perderam a noção. É só entrarem no carro que já tiram o sapato. Só que na hora de descer é aquele perrengue para calçar as duas. O pior é que em qualquer lugar que nós vamos elas querem tirar os sapatos. Somado a isso ainda perdem todas as meias pela casa , o que me deixa louca pois não sobrou um par intacto por aqui, estão todos trocados.

Marido não entender que faz frio. Meu marido ( e todos os homens do planeta) não sentem frio, e simplesmente não entendem que criança não pode ficar tão exposta ao vento e chuva. Eu brigo com o meu marido o tempo todo pois pode estar o vento que for, que ele nunca acha que as meninas precisam de casaco. E aí eu sou a exagerada sempre. Os finais de semana são sempre assim; eu tiro uma delas do carro, coloco o casaco, enquanto ele tira a outra e sai andando. Ah como eu amo o verão!

– Quando as avós super protegem. Sempre brigo com a minha mãe quando estou dando uma bronca nas meninas, ou coloco alguma delas de castigo e minha mãe fica com dó e pega no colo: Vem cá com a vovó… E pronto, toda nossa autoridade vai por agua abaixo.

– Destruir todas as bonecas. Ok, eu sei, elas são pequenas, querem brincar. Mas será que não pode sobrar uma boneca com roupa aqui em casa? Barbie então…, não sei porque elas querem a Barbie Borboleta, a Bailarina, somem todos os acessórios mesmo. Aqui estão todas sem roupa e com o cabelo pintado, cortado, com cola…

– Deixar qualquer material de trabalho na minha mesa.  Deixar uma caneta ou lápis  para as minhas anotações é tarefa mais do que impossível. Elas pegam absolutamente tudo que eu deixo na mesa. É só na minha casa ou na de vocês também é impossível achar uma caneta na hora que precisa anotar algo?

– Ter que travar uma guerra para secar o cabelo. Tanto a Bruna quanto a Manu sempre detestaram secador. Elas gritam, choram, fogem. Haja paciência! A Manu como não tem quase cabelo é muito rápido. Mas a Bruna que tem o cabelo gigante, são minutos com ela gritando, se debatendo, fugindo… Isso sem contar que antes tenho sempre tenho que desembaraçar o cabelo dela e vocês podem imaginar o estress.

– Cismar com uma comida. Isso acontece principalmente com a Bruna que está cada vez mais seletiva. Ela cisma com alguma coisa e não come de jeito nenhum. Mas isso digo com coisas que ela gosta. Por exemplo, ontem fizemos um franguinho grelhado em cubos ao invés de desfiado. Pronto, ela cismou, disse que não ia comer pois não era frango. Ela ama morango e de repente cismou com as sementinhas e disse que não ia mais comer. E assim ela tem feito com todas as comidas até daqui a pouco não comer mais nada.

– Não querem mais colocar a roupa que eu escolho. A Bruna entrou na fase que diz que calça e tênis é coisa de menino e que menina só usa vestido e sapato. E não adianta vestir qualquer coisa nela que ela arranca, vai até seu quarto e troca pela roupa que ela quer usar. É um estress todo santo dia na hora de vesti-la. Exceto o uniforme que ela não tem opção. E a Manu que não é boba nem nada, imita a Bruna e começou a não querer mais usar calça também. Detalhe que a Bruna também cismou com roupa branca e não usa de jeito nenhum. #eumereço

– Fugir na hora de cumprimentar outras pessoas. Nós tentamos educar nossos filhos para poderem conviver em sociedade e quase matam a gente de vergonha na hora de cumprimentar alguém que não conhecem. Por aqui basta chegar em um ambiente estranho para algum conhecido nosso chegar e dizer; Oi Bruna, oi Manu, vem ca dar um beijinho na Tia. Pronto, as duas saem correndo, viram a cara, não cumprimentam de jeito nenhum.

 

 

Essa foi minha listinha de hoje. Conforme eu for lembrando de mais coisas que me deixam louca vou postando por aqui!

E vocês mamães, o que mais te irritam ou deixam louca na maternidade?

 

Comentários 9

14

15 setembro, 2014
Por Katia Ouang

mommy

 

Ontem quando cheguei em casa com a Bruna tinha uma caixa para mim na sala. A Bruna foi correndo, abriu, e antes mesmo de eu ler, rasgou o cartão que veio junto. Isso costuma ser comum por aqui, as meninas mexem em tudo. É claro que eu educo para que isso não aconteça, mas dizer para 2 crianças, de 2 e 3 anos, para não mexerem em algo, é pedir para que elas façam o contrário não?

Por isso me inspirei para o post de hoje; O que me deixa louca na maternidade!

Antes de ter filhos nossa adaptação maior é no casamento, na hora de dividir o mesmo espaço e algumas coisinhas. Eu particularmente não tive muita dificuldade. Me adaptei aos primeiros meses de casamento super bem. E olha que eu não morava junto antes!  Mas na maternidade é diferente,  parece que temos que dividir tudo. Que não existe mais nada nosso. Por isso enumerei algumas coisas que mesmo sendo apaixonada pelas minhas filhas, muitas vezes tenho  uma vontade louca de morar sozinha e poder fazer tudo com calma e melhor; com privacidade! Principalmente porque trabalho em casa e passo o dia todo com elas por perto.

São fatos corriqueiros, que acontecem quase que diariamente mas que me deixam louca! É claro, são coisas que todas as crianças fazem e que depois achamos engraçado!

Vamos lá!

– Abrir a embalagem de qualquer coisa comestível e imediatamente ter as duas no meu pé esperando um pedaço ou muitas vezes , comendo tudo sozinhas. Não consigo comer um docinho que seja. A não ser que eu faça isso quando elas estiverem dormindo. Aquela velha história; “Pareço boa mãe” mas já esperei minhas filhas dormirem para comer aquele chocolate que tanto amo! #quemnunca ?!

– Almoçar com elas por perto. Tenho que levantar mil vezes pois a cada minuto alguém me solicita. Isso quando não vem atacar o meu prato de comida também. Normalmente quem faz isso é a draguinha da Manuela, que come o que estiver pela frente!

– Abrir uma bala . Parece que elas escutam o barulho do papel a 100 mts de distância e  já vem correndo pedir.

–  Tentar assistir algo na televisão enquanto elas estão acordadas . Bastou ligar a tv para elas pedirem algum desenho ou começarem a reclamar que o programa é chato. Na melhor das hipóteses quando consigo assistir algo é sempre com elas correndo, brincando ou gritando do meu lado.

– Falar ao telefone. Isso sim se tornou uma tortura. É só eu falar “Alo” que elas vem gritando em cima e não param de fazer barulho, querem saber com quem estou falando, querem apertar o botão…

– Usar o Ipad. Isso acho que não existe enquanto elas estão por perto. Ipad é um item que só trancada no banheiro ou quando elas estão dormindo.

– Tomar banho. Esse é o sonho de consumo de qualquer mãe. Aqui eu passo o banho todo com alguém batendo na porta e falando que quer entrar. Isso porque agora eu tranco a porta, pois cansei de ter meu banho “invadido”.

–  Maquiagem. Não posso me maquiar em paz que lá vem elas querendo usar tudo. Isso quando não pegam escondido e destroem o batom, a sombra, o lápis…. Se eu passo blush, tenho que passar em cada uma delas. Se eu passo batom, idem.

Shampoo. Usam todo meu shampoo para fazer espuma na banheira. Primeiro acabam com o delas e depois vem procurar no meu banheiro. Até o dia que eu surtei quando vi a banheira roxa com um shampoo especial que uso que custa super caro.

– Elástico de Cabelo. Eu uso muito rabo de cavalo, e vivo comprando elásticos pois elas somem com todos e ainda usam como pulseira. Não consigo entender como desaparecem tão rápido. Compro quase toda semana um saquinho com 10 e

– Armário. Mexem em tudo, tiram todos os sapatos, jogam a pilha de camisetas no chão, experimentam tudo, pisam em tudo, escondem tudo….

– Kit Atividades. Já cansei de comprar lápis de cor, canetinha, giz de cera, massinha. Aqui vira quase que descartável. Já tentei de tudo para organizar e manter mas parece que cada vez fica pior. Não sobra uma caneta com tampa, um lápis com ponta…

– Vestir para sair de casa. Isso me deixa muito louca! Mal termino de vestir uma, a outra já tirou os sapatos, o laço do cabelo… Aí quando termino de levar uma no banheiro a outra quer ir. Sair de casa é um processo.

– Colocar o cinto da cadeirinha. Eu não sei porque ainda não inventaram uma cadeira tipo aquelas de carrinho de montanha russa que basta você abaixar a alça e ela já trava! Aqui é um perrengue toda vez. Para quem não tem menina em casa, saibam que o cinto prende na saia, no vestido, no casaco cheio de babados…. nada como uma calça nessas horas! Fora que a Bruna entrou na fase em que se usa o cinto da cadeira, ela tira as alças, e se usa o cinto do carro , ela solta a trava.

– Dar comida. Sem querer parecer péssima mãe, mas tem algo mais chato que dar comida para criança? E olha que as minhas comem bastante e isso acaba dando gosto de ver! Mas haja paciência para esfriar  a comida, por na boca, esperar a criança mastigar, deixar cair tudo no chão…

– Colocar para dormir. A Manu dorme sozinha. Só fechar a porta e apagar a luz. A Bruna era assim ( bons tempos!), mas agora eu tenho que sentar em uma cadeira e esperar ela dormir. Normalmente em 15 minutos ela dorme. Mas muitas vezes além de não dormir ela começa a pedir um monte de coisas; Mamãe quero água, mamãe quero fazer xixi, mamãe estou com fome…. E eu exausta cada vez que ela pede alguma coisa tenho vontade de gritar. E quase morro de alegria quando vejo que ela dormiu. Aí já bate saudades.

Vai entender nós mães!!!

 

Agora me digam, sou só eu que enlouqueço com essas coisinhas do dia a dia ou vocês também se identificam? O que deixa vocês loucas???

Um beijo grande e uma boa semana para todas nós!

*K*

 

Comentários 30

27

24 agosto, 2015
Por Katia Ouang

Sempre penso o quanto as pessoas só falam sobre o lado bom de ser mãe. Sim, ele é maravilhoso.

Mas não consigo entender porque as dificuldades são tão pouco faladas.

Não sei se as mulheres tem medo, vergonha ou até uma sensação de derrota se contarem o lado onde nem tudo são flores e que mãe chora muitas vezes por não saber o que fazer.

Engraçado que antes da Bruna nascer eu só pensava em como iria cuidar de um recém nascido…. Para mim era essa a maior dificuldade já que as pessoas próximas só falavam nas tais noites de sono que eu nunca mais teria.

Só que essa fase passa em um piscar de olhos. E sinceramente, não tenho nenhuma recordação muito “traumática” dessa adaptação. Exceto pelos primeiros dias pós cesárea que são um pouco chatinhos.

Difícil  mesmo é educar, tarefa árdua e sem prazo para terminar.

Por isso hoje vou citar quais são as maiores dificuldades que enfrentei e que enfrento desde que me tornei mãe e que raramente são comentadas.

 

Breastfeeding Benefits

1) Amamentação: Ok, já passou, amamentei as duas até 8 meses e exclusivamente no peito ate os 6. Mas não consigo por nenhum momento me esquecer o que enfrentei na minha primeira experiência com a Bruna. Nunca sofri tanto, senti tanta dor e chorei como nos 2 primeiros meses. Onde estava aquela cena lúdica e linda que tanto pintam de uma mãe amamentando um filho?

Eu só pensava assim; Por que ninguém me avisou que o leite “desce” alguns dias após o parto , e que de repente você não vai saber o que fazer como eu, e seu peito esquenta, empedra, cresce mais 2 tamanhos, nenhum sutiã serve…

Por que ninguém me avisou que para quem tem muito leite tirar na bomba aumenta ainda mais a produção?

Por que ninguém me avisou que seu bico pode sangrar por dias ?

Por que ninguém me avisou que mastite é tão comum acontecer mas que na hora você acha que vai morrer com quase 40 graus de febre e seu seio pegando fogo?

Enfim, quem me acompanha sabe que essas não foram nem metade das dificuldades que passei. E que antes de nascer a Manu, me informei e me preparei para passar por tudo de novo. Mas sabendo como agir, como me manter calma e como lidar com essas dificuldades. Foi difícil também, mas bem menos traumático.

E o que eu passei, metade das mulheres passam . Sorte e abençoadas as que passam pela amamentação sem nenhuma dificuldade.

Até aí tudo bem. Mas como saber disso antes pode ajudar?

Pode preparar a pessoas para os possíveis desafios e ensinar como lidar com eles ou a quem recorrer em caso de dificuldade. Acho importante saber que é comum acontecer . Pois acreditem, boa parte dos casos de depressão pós parto, o “Baby Blues”, ocorrem por causa das mudanças que a amamentação traz na vida da mulher e que muitas vezes além de vir com um monte de dúvidas e inseguranças, pode frustrar a mulher que não consegue amamentar do jeito que ela acreditava que seria.

Lado A: Sofri, chorei mas não me arrependo de nada e faria tudo de novo.  Adorei a sensação de ver minhas filhas crescendo só com o leite do peito. Até hoje me surpreendo como nosso corpo consegue produzir um alimento tão rico. Vocês não acham isso uma loucura?

Fora a relação e o contato único entre mãe e bebê que a amamentação possibilita.  Sou defensora da amamentação sim, mas dentro dos limites de cada mulher. Sejam físicos ou emocionais!

 

 

2) Noites Mal Dormidas: Sim, esse é um tópico bem falado por aí. Quem nunca ouviu “ Durma bem agora pois depois que o bebê nascer você não vai mais dormir por um bom tempo “ .

Por um bom tempo? Ou quem sabe não seria; Você não vai mais dormir!

Juro que eu me preparei paras os primeiros meses sabendo que não seria fácil. Mas nunca imaginei que isso não teria data para terminar.

Não temos a mínima idéia que depois que temos um filho acordamos a cada movimento deles, a cada espirro, a cada barulho no berço. Depois vem a fase que acordam, vem para nossa cama, escapa xixi ou precisa ir ao banheiro , tem pesadelos….

Dormimos com um olho aberto e outro fechado. Sempre.

E hoje, após quase 5 anos como mãe, não consegui ainda me adaptar às noites mal dormidas.  Foram pouquíssimas vezes que relaxei em uma noite de sono e essas poucas, eu não estava em casa com elas.

Lado A:  Não sei muito bem se tem o lado A dormir pouco, mas apesar de ser complicado, a gente também acaba se adaptando. A velha história: O que não tem remédio, remediado está!

 

3) Terrible Two: E por que não Three, Four, Five…  O desafio  inicia a partir do momento em que seu filho começa a ter vontade própria e reage ao ser contrariado ou quando quer muito alguma coisa.

E aí respira fundo, conta até 10, 20, 30…. e tente entender que um filho pode sim te levar as raias da loucura. E que você não será uma péssima mãe se gritar, chorar e querer sumir naquele momento.

Ninguém conta o quanto é difícil colocar “ordem na casa” e ninguém conta que somos capazes de fazer qualquer coisa para um filho parar com uma birra.

Lembro que uma vez uma das minhas melhores amigas estava comigo no shopping. Ela com o filho de 7 anos, eu com a Bruna, com 3 na época. A Bruna teve um surto de se jogar no chão e gritar pois queria um pirulito e eu disse que não ia comprar. Eu me virei para a minha amiga e disse: eu não sei mais o que fazer com ela, é muito mal educada, não aguento esses chiliques….

Minha amiga me disse: Não aguenta? Espera ver o dia que você disser não e seu filho reagir dizendo: Mamãe, você é uma chata, eu não gosto de você! E imagine quando chegar na adolescência…. Meu Deus!

Por que sim, até a criança mais educada, filha de um casal de família Doriana, cheios de bons costumes e postura, vai um dia desafiar a mãe com palavras que magoam. Faz parte.

E cabe a nós aprender a lidar e educar para que isso não se repita.

Lado A: Educar é um aprendizado eterno e faz com que nós mães evoluímos a cada dia. Eu mesma já percebi maneiras diferentes de acalmar uma birra, depois de várias tentativas frustradas e desanimadoras.

 

 

4) Ver o filho sofrer. Seja por uma frustração, uma perda, uma febre ou  uma dor física. Qualquer coisa que não esteja bem com o nosso filho, parece que dói igual na gente.

E para isso nunca estamos preparadas.

Não é fácil lidar com o sofrimento de um filho, pois temos que ser fortes para apoiar, proteger, mas ao mesmo tempo  ensinar que nem sempre a vida é feita de momentos bons.

Envelheci alguns anos em cada internação da Manu, em cada febre alta delas e principalmente agora, após minha separação, perco um pedaço de mim cada vez que a Bruna sofre ( pois a Manu não sentiu  tanto), cada vez que ela chora, cada foto que ela ve e as lagrimas escorrem do rosto.

Ninguém contou que seria tão difícil lidar com isso.

Lado A:  Descobrimos uma pessoa muito mais forte do que imaginamos ser . E conforme o tempo passa, o filho cresce, nos tornamos cada vez menos egoístas e descobrimos o que é viver de verdade para um filho. A ponto de deixar de lado nosso sofrimento ou momento ruim para pensar só neles.

 

5) Culpa. A eterna culpa. Clichê ou não, acredito que uma mãe que se preocupe de verdade com seus filhos, sempre terá seu momento de culpa. Tudo é sempre motivo para nos questionarmos se estamos fazendo da maneira correta.

Muitas vezes sonho com um pouco mais de tempo para mim, e quando tenho, me culpo por achar que deveria estar com elas;

Muitas vezes não vejo a hora delas dormirem, mas em seguida, estou louca para que elas acordem;

Muitas vezes eu superprotejo elas, e depois me culpo achando que ficarão inseguras;

E assim vai…

E é claro, toda a culpa que um término de casamento traz na cabecinha delas.

Lado A: Não sei se esse sentimento ameniza com o passar dos anos, acho que não. Faz parte da maternidade , faz parte do nosso instinto querer sempre fazer da melhor maneira.

 

Mesmo com tudo isso, continuo dizendo que não existe nada melhor nessa vida do que receber o amor de um filho!

 

 

E vocês, o que sentiram dificuldade na vida de mãe?!

 

Comentários 4

6

2 julho, 2014
Por Katia Ouang

A entrevista de hoje é com a jornalista Rosana Jatobá!

Conheci a Rosana no evento da Sorine onde participei com outras blogueiras de maternidade e fiquei super feliz quando ela aceitou participar dessa tag no blog.  A Rosana além de linda e muito simpática, tem um site super bacana, o Universo Jatobá, que aborda principalmente temas relacionados a sustentabilidade. Eu acompanho o site e tem matérias super interessantes e muita informação sobre maternidade,  já que a Rosana é mãe de gemêos.

Hoje ela conta um pouco mais sobre o que mudou na sua vida após os pequenos.

 

rosana14

Nome e idade dos gêmeos: Benjamin e Lara, 3 anos e meio. (04.01.2011)

 

Qual sua reação quando soube que seriam gemêos? E quando soube que seria um casal?                                                                                                              Durante 2 anos, eu fiz 2 tipos de tratamentos contra infertilidade.  Cheguei a engravidar 2 vezes, mas não conseguia segurar os fetos. Descobri que estava com os níveis hormonais desbalanceados. Os médicos alertavam que a chance de gravidez múltipla era grande, mas confesso que não esperava tamanha benção! Logo que soube que seriam gemeos, tremi na base. Nao apenas pelos desafios de uma gravidez especial que demandava mais cuidados, mas pelo medo de nao dar conta de dois de uma vez. Por mais que tivesse o bom senso de me cercar de bons profissionais e planejar cada fase do processo, sentia-me intimidada diante das mudancas gigantescas. Fiquei um tanto assustada na hora de constatar os coraçõezinhos no ultrassom.E o receio de nao saber educar para serem pessoas de bem? O medo de mima-los ao extremo? Passa  tanta coisa pela cabeca.. Ate que vem uma voz suprema que te acalma e diz: “ Calma, vai dar tudo certo! Se voce recebeu esta bencao, é porque tem condicoes de honra-la!. Dai em diante, transformei todo esse medo em garra e virei uma leoa. Hoje constato que é so ter paciencia, dedicacao e fe, que tudo vai bem. Um casal de Gêmeos é demais! Na França, eles costumam dizer que é “ le choix du roi”, ou seja, “ a escolha do rei”.   Logo fui invadida por uma sensação de extrema felicidade, de gratidão. Estava começando a realizar um dos maiores sonhos da minha vida.

Rosana7

 

Como foi sua gestação?                                                                                                                                                                                                                                                                  Muito complicada! Tive todas as intercorrencias, como enjoos, nauseas, dores de cabeça, prisao de ventre e fui para no hospital 3 vezes! A primeira para uma cirurgia de torçao de ovario, depois para uma cerclagem e por fim, para evitar um parto prematuro aos 7 meses de gestacao. Mas superei tudo com força, paciencia e obediencia aos medicos!

Usei litros de  hidratante pelo corpo, tomei muito liquido, fiz acompanhamento nutricional. Tive que parar as atividades fisicas, inclusive minha amada Yoga, no quinto mes de gestação. Engordei 18 quilos! Deixei quase 10 no hospital e depois de 3 meses de resguardo, tratei de expelir as gordurinhas extras. Fiz caminhadas diarias de 30 minutos na esteira e musculação 2 vezes por semana. Tambem evitei as extravagancias da mesa durante o pos-parto. Aquela panela de brigadeiro de colher só quando estava barriguda, pra aproveitar o paladar agucado. Depois, so um docinho no fim de semana. E a amamentação tambem ajudou a perder peso.

rosana9

rosana-jatoba2 rosanaa

 

 

Como foi sua experiência com amamentação?                                                                                                                                                                                                                         A amamentaçao foi uma das experiencias mais maravilhosas que tive na vida. Uma sensação de entrega total por ambas as partes. Uma cumplicidade perfeita. Nunca pensei nos possiveis danos para o meu corpo, nem no tempo dedicado `as horas com meus filhos. Foi uma rotina dura, em que mal dormia, sentia dores fortes no inicio, e tinha que limitar muitas atividades para nao parar de produzir o leite. Mas valeu por cada gota. Amamentei por 9 meses e o faria por mais tempo, se eles quisessem. Mas decidiram parar, o que me deixou ate tristinha nas primeiras semanas.

Só acho que não deve haver exagero,  pois a amamentação prolongada pode comprometer  a independência da criança e alimentar uma simbiose tambem prejudicial para a mãe. Mais importante do que definir o tempo de dar o peito, é estar ciente de que a maternidade é um processo especial, que ocorre de forma unica para cada mulher.

rosana aman

 

O que comprou para eles no enxoval que nunca usou?                                                                                                                                                                                                       Usei quase tudo `a exaustao, com excecao de alguns obejtos como mamadeiras importadas e seus bicos, bolsas de gel para facilitar a amamentaçãoe algumas pomadas. Tambem usei pouco as mantas bordadas. Fiquei louca pelo enxoval classico da Silmara, comprei muita coisa, mas já ta tudo guardado para os meus netos! kkkkkk

rosana2

 

E o que foi super útil e recomenda?                                                                                                                                                                                                                                    A máquina para retirar leite: Medela! Nossa! Como eu tinha que amamentar a cada hora e meia, a Medela foi minha grande aliada!

rosana3

 O que mudou no seu ritmo profissional após o nascimento deles?                                                                                                                                                                  Tirei um licenca de 6 meses,mas logo voltei a trabalhar em ritmo acelerado. Tive que aprender a ter mais disciplina e otimizar o tempo para dar conta de tudo.

rosana8

 

E como concilia seus compromissos com o dia a dia com eles?                                                                                                                                                                 Disciplina, organização e foco são essenciais. Como estou trabalhando em varias mídias, como internet, radio, tv a cabo e literatura, cada segundo é precioso. Busco estar por inteiro numa atividade ate finaliza-la. Assim, quando estou com meus filhos e meu marido, sou totalmente entregue a eles, de forma intensa, o que faz toda a diferença. Mais do que quantidade, o que importa é a qualidade do seu tempo.

rosana6

 

O que você aprendeu com a maternidade que nunca imaginava existir?                                                                                                                                                           As mudanças trazem novos valores, novos comportamentos , novas perspectivas. A maternidade foi o grande divisor de aguas da minha vida. A partir daí virei uma nova mulher: mais preocupada com a coletividade, com as relações humanas, com a situação do planeta. Você quer oferecer aos seus filhos um lugar digno para viver , por isso suas ações se pautam por essa perspectiva de deixar um legado. A maternidade traz  um amadurecimento e um novo foco naquilo que tem mais importância. Ganhei mais disciplina e organização para conciliar a tripla jornada. Ganhei mais força para lidar com as dificuldades. Ganhei mais compaixão por outras crianças, mais generosidade. Mas fiquei um pouco mais medrosa. Antes, pulava de bungee jumping..agora rezo antes de entrar num avião…

 

 

Uma dica que passaria para as futuras mamães:

Nos temos a maior responsabilidade do mundo. Portanto, dedique-se de corpo e alma a tão nobre missão e aproveite para deixar sua marca, sabe como? Deixando filhos melhores para nosso Planeta!

 

rosana4

 

 

 

Comentários 9

4

20 agosto, 2013
Por Katia Ouang

manuem pre

Essa foto foi da semana passada, mas assim que eu publiquei no meu instagram ( @blogminhasdikas) surgiram muitos comentários. Isso porque eu relatei que a Manu não queria dormir e que eu estava louca para pega-la e trazer para a minha cama. Acabei recebendo algumas críticas então acho que valia um post para eu conta um pouquinho sobre como funciona a cama compartilhada aqui em casa.

Ou melhor, ela simplesmente não funciona!

Simplesmente porque a Manu não dorme em nenhum lugar que não seja o berço ou o carrinho dela. E é por isso que não peguei e trouxe para dormir comigo.

E acreditem, existem sim bebês e crianças que não conseguem dormir na cama dos pais!

É frustrante, sim é.  Mas acho menos frustrante um filho que não queira dormir com os pais, do que um filho que não queira dormir em sua própria cama nunca.

Tudo na maternidade é uma escolha. Ganha de um lado, perde do outro, e nós mães adaptamos a nossa rotina e ao que consideramos melhor para os nossos filhos e mais prático para nós.

Aqui em casa é assim. Nenhuma das duas gosta de dormir na minha cama. Pois tanto a Bruna, como a Manu, sempre dormiram em seu berço com a porta do quarto fechada e a luz apagada. E estão habituadas a isso desde bem pequenas, tanto que qualquer mudança elas estranham.

Com a Bruna eu ainda pude usufruir da delícia de dormir abraçadinha com um bebê. Dos 4 meses até uns 18meses, ela acordava as 6 da manhã em seu berço, eu trazia para minha cama, e dormiamos juntas até as 9. Era o verdadeiro paraíso! Nunca senti culpa ou pensei que poderia estragar a rotina dela fazendo isso, porque simplesmente ela dormia sozinha as 20 horas e nao chorava antes das 6.

Com 18 meses ela naturalmente começou a dormir até as 7.30-8 sem acordar as 6. Então não vinha mais para a minha cama.

Eu tentei com a Manu a mesma “tecnica”, mas não deu muito certo. Ela não dorme na cama conosco nem quando era recem nascida.

No geral, eu não tenho nada a reclamar, pois elas são super disciplinadas com o sono. Mas nas poucas vezes que saimos da rotina como quando viajamos , é um caos. Elas não querem dormir na cama conosco, estranham outros berços, enfim.

O mais chato não é apenas isso, é quando estão doentes e você não quer deixar seu filho dormir sozinho mas ele também não dorme com você. Então você tem que ficar de plantão no quarto deles sem muita escolha.

Isso tudo para dizer que não podemos simplesmente escolher o que queremos. A primeira escolha nós podemos fazer; que é acostumar seu bebê a dormir sozinho ou dormir sempre com você. Depois disso não é porque algumas vezes eu tenho vontade de dormir com elas que eu vou conseguir. Eu fui a única responsável por acostumá-las a dormirem sozinhas com uma certa rigidez de rotina.  E quebrar essa rotina para elas é estranho, elas não se adaptam. Infelizmente a criança não tem um botãozinho que a gente programa: Hoje ela vai dormir comigo. Amanha no berço…. Ah se fosse assim….

Então não pensem que eu sou uma geladeira e deixo a criança acordada no berço. Tanto a Manu como a Bruna não sofrem com isso, pois foram acostumadas desde cedo a ficarem sozinhas no berço. Elas entendem que muitas vezes o sono pode demorar um pouquinho, mas logo ele vem.

Cada mãe sabe o melhor para a sua casa, sua rotina e o bem estar dos seus filhos. E eu entendo 100% a mãe que deixa o filho fazer o que quiser pois muitas vezes somos tomadas por um cansaço  tao grande que o que facilitar nossa vida , nós permitimos.

Quem compartilha cama e não se incomoda da criança dormir junto todas as noites, ótimo.

Quem não compartilha por achar que seja melhor para a criança dormir sozinha, ótimo também.

E melhor ainda quem consegue compartilhar só as vezes ! Essas mães sim tiveram sorte.

Eu sinto vontade sim de dormir com elas. E muita. Mas sei também por amigas com filhos maiores que logo mais eles virão para nossa cama sozinhos, sem a gente escolher se quer o não quer. Pois qual criança depois que aprende o caminho do quarto dos pais não vai dar uma “passeadinha” por lá?

E com vocês, como funciona?

Aproveitando esse tema,  o próximo é um dos mais pedidos por aqui: Como fazer seu filho dormir sozinho! Aguardem!

 

Comentários 38

5

23 março, 2011
Por Katia Ouang
Saiu ontem no NY with Kids , um blog que amo sobre dicas de NY para quem tem filhos, um texto meu sobre pais que participam na criação dos filhos desde bebês . Resolvi dividir com vocês também .Além das dicas, acho muito bacana poder contar algumas experiências positivas no mundo maravilhoso da maternidade. Hoje vou inaugurar um novo tópico que é o  Vida de Mãe” !!!

Outro dia precisei sair de casa por algumas horas e deixei minha filha de quase 6 meses sozinha com o meu marido. Quando voltei encontrei os dois dormindo na nossa cama e ela toda suada pois ele tinha feito uma cabaninha com os travesseiros em cima dela… ou seja, tudo errado! Mas ela estava lá feliz da vida de mãos dadas com ele e não parecia nem um pouco incomodada. Com essa cena senti vontade de homenagear um pouco os papais que nos ajudam tanto ( do jeito deles!!) e que ficam quase esquecidos nos primeiros meses de vida dos bebês.


Antes da minha filha nascer eu sempre escutava que após o nascimento do bebê a responsabilidade era basicamente da mãe, que o pai servia apenas para dar um apoio moral pois não se envolvia e não curtia tanto esse comecinho como nós . Eu sempre achei lindo os pais que via enlouquecidos por seu bebê ajudando a mãe a cuidar, a pegar, a trocar. Mas confesso que no fundo não esperava isso do meu marido. Achava que provavelmente ele só conseguiria criar um elo e se apaixonar por nossa filha bem mais para frente. Pois apesar de sempre querer muito ter um filho, nunca demonstrou ser daqueles homens naturalmente jeitosos com criança. Mas prometi que tentaria envolve-lo nos cuidados com ela sem forçar nada, deixando livre para ajudar quando sentisse vontade.


Para minha felicidade fui surpreendida mais do que positivamente. Foi incrível o quanto meu marido se envolveu desde o dia em que ela nasceu, e a cada dia se apaixonou mais e mais com cada novidade, cada sorriso e cada carinho que ela demonstrava.


Hoje ele é daqueles “paizões”…  troca fralda, dá banho, dá papinha e a acalma com a mesma facilidade e tranquilidade com que eu faço. E o sorriso que ela abre quando vê o pai é tão grande que chega a emocionar. Ela é louca por ele desde o dia que começou a entender quem é quem na nossa família.


Não tenho palavras para descrever o quanto me sinto feliz por ter sido tão abençoada em poder proporcionar para ela o amor vindo forte dos dois lados, isso só faz com que ela cresça se sentindo amada e segura.


E meu conselho para as futuras mamães é; incentive seu marido a participar do jeito que ele souber fazer desde o comecinho, pois seu filho irá amá-lo de qualquer maneira. E é maravilhoso para a mãe saber que pode dividir de igual para a igual a difícil tarefa de educar e se responsabilizar por um filho nos dias de hoje.

1 Comentário

0

15 junho, 2015
Por Katia Ouang

De vez em quando surgem algumas polêmicas no mundo dos blogs e grupos maternos e que eu obviamente, não poderia deixar de comentar por aqui.

A “bola da vez” é o tal do mimimi, ou blablabla, como vocês preferirem. Termo que foi  na minha opinião, muito bem empregado a todo esse momento que estamos vivendo de críticas e discussões sobre quem é a melhor mãe e quem educa seus filhos da maneira ideal.

Ideal? Existe um ideal?

Sim, ele existe! Mas é o seu ideal.

Por isso nunca levantei a bandeira para nada. Vocês sabem que por aqui é vida real! Sempre contei tudo sem ter medo ou vergonha e muito menos, sem intenção de causar polêmica. Mesmo assim aparecem pessoas que por algum motivo, gostam de atirar uma pedra.

Sinceramente, nunca liguei. E para não mentir, a única vez que me incomodou de verdade foi a tal polêmica em cima da leitora que escreveu em um comentário que eu não era merecedora de ser mãe por ter amamentado a Bruna por “apenas” 8 meses. Quem segue o blog lembra disso. Achei triste e desnecessário esse comentário… e não acredito que tenha sido feito por uma mãe.

Se tenho um canal aberto estou sujeita a criticas positivas e negativas. E eu considero cada comentário e opinião que recebo.

Mas o que tenho visto por aí tem me assustado. Mães discutindo quem é a melhor , quem educa melhor, quem é mais presente…. E ainda detonando outras mães que pensam diferente. Em contrapartida, mães se manifestando, se defendendo…. Meu Deus, onde chegamos!

O que acontece é que agora tudo é muito exposto por causa das redes sociais, o que abre espaço para as pessoas se manifestarem como e quando preferirem.

Antigamente quando uma mulher ia para a maternidade, ninguém sabia se era parto normal, cesárea…. e também ninguém perguntava…. por educação, por respeito. A real é que sequer interessava aos outros quanto tempo essa mãe ficou em trabalho de parto ou porque optou pela cesárea.

Agora a grande novidade são as mães postando vídeos de babás maltrando as crianças, gritando, batendo e com isso, alertando ( ou melhor, cutucando) as mães que tem babá para olharem mais para dentro de casa.

Helloooooooo!!!! Desde a época dos meus pais existem babás boas e babás péssimas. Isso não é novidade alguma. O que mudou agora é a nova geração de mães que se gabam por não terem babás e ainda detonam as que tem.

Quem é mãe sabe o que é melhor para o seu filho. Ponto final.

E eu pessoalmente não aguento mais as discussões:

Parto Normal X Cesárea , e agora com a grande novidade do Parto Humanizado, que vem causando ainda mais polêmica do que a cesárea.

Amamentação , assunto que não falo mais pois quase me deixou louca.

Alimentação Saudável , ótimo para as mães que tem tempo para fazer o pão que a criança leva na escola sem açúcar, sem conservantes. Que legal! Pena que a maioria das mães que trabalham querem mais é abrir um saco de bisnaguinhas e colocar na lancheira em 1 minuto. E que bom se seu filho gosta da bisnaguinha integral, pois as minhas não gostam!  Esse mimimi todo em torno de alimentação me enlouquece…

A real é que acho muito triste todo esse panorama onde por um lado pessoas atacam, e por outro se defendem.

Estamos falando de pessoas, que tem coração, que tem sentimento. Acho um horror quando vejo alguém criticando uma mãe porque teve cesárea sem saber porque foi tomada essa decisão. Criticando alguma mãe que não amamentou…. E se essa mãe tentou e não conseguiu. Já pararam para pensar como ela se sente!?

Vou começar a semana deixando essa dica; vamos nos unir mais, apoiar mais, agregar mais.

Por que tudo que uma mãe quer é ver seu filho feliz seguindo seu coração e seus instintos . E com isso educa-lo e amá-lo da melhor maneira possível.

Vocês não acham?

Um beijo e boa semana!

*K*

Comentários 24

24