15 setembro, 2014
Por Katia Ouang

mommy

 

Ontem quando cheguei em casa com a Bruna tinha uma caixa para mim na sala. A Bruna foi correndo, abriu, e antes mesmo de eu ler, rasgou o cartão que veio junto. Isso costuma ser comum por aqui, as meninas mexem em tudo. É claro que eu educo para que isso não aconteça, mas dizer para 2 crianças, de 2 e 3 anos, para não mexerem em algo, é pedir para que elas façam o contrário não?

Por isso me inspirei para o post de hoje; O que me deixa louca na maternidade!

Antes de ter filhos nossa adaptação maior é no casamento, na hora de dividir o mesmo espaço e algumas coisinhas. Eu particularmente não tive muita dificuldade. Me adaptei aos primeiros meses de casamento super bem. E olha que eu não morava junto antes!  Mas na maternidade é diferente,  parece que temos que dividir tudo. Que não existe mais nada nosso. Por isso enumerei algumas coisas que mesmo sendo apaixonada pelas minhas filhas, muitas vezes tenho  uma vontade louca de morar sozinha e poder fazer tudo com calma e melhor; com privacidade! Principalmente porque trabalho em casa e passo o dia todo com elas por perto.

São fatos corriqueiros, que acontecem quase que diariamente mas que me deixam louca! É claro, são coisas que todas as crianças fazem e que depois achamos engraçado!

Vamos lá!

- Abrir a embalagem de qualquer coisa comestível e imediatamente ter as duas no meu pé esperando um pedaço ou muitas vezes , comendo tudo sozinhas. Não consigo comer um docinho que seja. A não ser que eu faça isso quando elas estiverem dormindo. Aquela velha história; “Pareço boa mãe” mas já esperei minhas filhas dormirem para comer aquele chocolate que tanto amo! #quemnunca ?!

- Almoçar com elas por perto. Tenho que levantar mil vezes pois a cada minuto alguém me solicita. Isso quando não vem atacar o meu prato de comida também. Normalmente quem faz isso é a draguinha da Manuela, que come o que estiver pela frente!

- Abrir uma bala . Parece que elas escutam o barulho do papel a 100 mts de distância e  já vem correndo pedir.

Tentar assistir algo na televisão enquanto elas estão acordadas . Bastou ligar a tv para elas pedirem algum desenho ou começarem a reclamar que o programa é chato. Na melhor das hipóteses quando consigo assistir algo é sempre com elas correndo, brincando ou gritando do meu lado.

- Falar ao telefone. Isso sim se tornou uma tortura. É só eu falar “Alo” que elas vem gritando em cima e não param de fazer barulho, querem saber com quem estou falando, querem apertar o botão…

- Usar o Ipad. Isso acho que não existe enquanto elas estão por perto. Ipad é um item que só trancada no banheiro ou quando elas estão dormindo.

- Tomar banho. Esse é o sonho de consumo de qualquer mãe. Aqui eu passo o banho todo com alguém batendo na porta e falando que quer entrar. Isso porque agora eu tranco a porta, pois cansei de ter meu banho “invadido”.

-  Maquiagem. Não posso me maquiar em paz que lá vem elas querendo usar tudo. Isso quando não pegam escondido e destroem o batom, a sombra, o lápis…. Se eu passo blush, tenho que passar em cada uma delas. Se eu passo batom, idem.

- Shampoo. Usam todo meu shampoo para fazer espuma na banheira. Primeiro acabam com o delas e depois vem procurar no meu banheiro. Até o dia que eu surtei quando vi a banheira roxa com um shampoo especial que uso que custa super caro.

- Elástico de Cabelo. Eu uso muito rabo de cavalo, e vivo comprando elásticos pois elas somem com todos e ainda usam como pulseira. Não consigo entender como desaparecem tão rápido. Compro quase toda semana um saquinho com 10 e

- Armário. Mexem em tudo, tiram todos os sapatos, jogam a pilha de camisetas no chão, experimentam tudo, pisam em tudo, escondem tudo….

- Kit Atividades. Já cansei de comprar lápis de cor, canetinha, giz de cera, massinha. Aqui vira quase que descartável. Já tentei de tudo para organizar e manter mas parece que cada vez fica pior. Não sobra uma caneta com tampa, um lápis com ponta…

- Vestir para sair de casa. Isso me deixa muito louca! Mal termino de vestir uma, a outra já tirou os sapatos, o laço do cabelo… Aí quando termino de levar uma no banheiro a outra quer ir. Sair de casa é um processo.

- Colocar o cinto da cadeirinha. Eu não sei porque ainda não inventaram uma cadeira tipo aquelas de carrinho de montanha russa que basta você abaixar a alça e ela já trava! Aqui é um perrengue toda vez. Para quem não tem menina em casa, saibam que o cinto prende na saia, no vestido, no casaco cheio de babados…. nada como uma calça nessas horas! Fora que a Bruna entrou na fase em que se usa o cinto da cadeira, ela tira as alças, e se usa o cinto do carro , ela solta a trava.

- Dar comida. Sem querer parecer péssima mãe, mas tem algo mais chato que dar comida para criança? E olha que as minhas comem bastante e isso acaba dando gosto de ver! Mas haja paciência para esfriar  a comida, por na boca, esperar a criança mastigar, deixar cair tudo no chão…

- Colocar para dormir. A Manu dorme sozinha. Só fechar a porta e apagar a luz. A Bruna era assim ( bons tempos!), mas agora eu tenho que sentar em uma cadeira e esperar ela dormir. Normalmente em 15 minutos ela dorme. Mas muitas vezes além de não dormir ela começa a pedir um monte de coisas; Mamãe quero água, mamãe quero fazer xixi, mamãe estou com fome…. E eu exausta cada vez que ela pede alguma coisa tenho vontade de gritar. E quase morro de alegria quando vejo que ela dormiu. Aí já bate saudades.

Vai entender nós mães!!!

 

Agora me digam, sou só eu que enlouqueço com essas coisinhas do dia a dia ou vocês também se identificam? O que deixa vocês loucas???

Um beijo grande e uma boa semana para todas nós!

*K*

 

Comentários 18

18

10 setembro, 2014
Por Katia Ouang

Esse é um tema que já há algum tempo eu queria falar. Pois muitas mães de primeira viagem tem duvida sobre deixar ou não o bebê dormindo no quarto dos pais.

As minhas duas filhas dormiram no moisés ao lado da minha cama por um tempo. A Bruna por 2 meses e a Manu por 6. E acho que a experiência foi ótima. E muito melhor e mais fácil no segundo filho.

Eu tenho uma opinião muito clara sobre esse assunto que é a seguinte; se você tiver qualquer tipo de ajuda, seja enfermeira, babá , mãe ou qualquer parente que possa dormir no quarto com o bebê, mantenha ele em seu próprio quarto. Assim você pode dormir melhor e o quanto antes acostumar o bebê com seu próprio berço e ambiente, melhor.

Se você, como foi meu caso , é a responsável por cuidar do seu bebê pelas madrugadas sem contar com ajuda, coloque no seu quarto. E digo isso pois nessa fase pós parto, a mais complicada na minha opinião, temos que facilitar nossa vida.

Nunca me esqueço da primeira noite com a Bruna em casa. Foi um pesadelo para mim. Me propus a dormir no seu quarto pois queria desde o inicio deixá-la em seu próprio berço.  Fui me deitar na cama ao lado e confesso que não preguei o olho. Não só por querer olhar ela o tempo todo, mas também porque não sabia se era hora de trocar, se ela tinha feito xixi, se já precisava mamar de novo. E ainda em meio a essa insegurança toda, o corte da cesárea que doía a cada vez que eu me mexia, o meu leite desceu nessa madrugada e eu tive febre, calafrios e não sabia como me virar com aquele leite todo que jorrava e deixava meu peito em brasas.

Passei a noite chorando. E a Bruna, não deu um piu. Dormiu direto e eu que a acordei a cada 3 horas para mamar.

Na noite seguinte decidi que queria mesmo era dormir na minha cama, ao lado do meu marido e ter um colo para chorar caso necessário.

Coloquei o moisés apoiado em um banco, ao lado da minha cama, em uma posição que era só eu estender o braço ou abrir os olhos que poderia ter controle do que estava acontecendo. E a partir dessa noite ela dormiu comigo até completar 2 meses, quando já dormia 10hs seguidas e eu coloquei em seu próprio berço sem muitos traumas.

Nessa fase eu ainda levantava, ia amamentar na poltrona do quarto dela, trocava a fralda e voltava para o meu quarto. Deixava ela no meu colo até arrotar e colocava no moisés.

Com a Manu foi tudo infinitamente mais fácil. Desde a primeira noite ela já ficou no moisés ao meu lado e eu apenas tirava ela para amamentar sem sequer levantar da cama, amamentava lá mesmo, esperava arrotar e colocava no moisés de novo. Nunca troquei a Manu de madrugada, exceto se ela fizesse cocô. E mesmo assim, eu deixava um “kit troca” ao lado da cama, e trocava ela na minha cama mesmo. Nunca levantei da cama a não ser que o cocô tivesse vazado e precisasse trocar tudo. Mas como ela teve alguns probleminhas de saúde ( que vocês acompanharam), mantive ela no meu quarto até os 6 meses pois me sentia insegura de deixa-la longe de mim. Depois disso ela nem cabia mais no moisés e então eu fiz a transição para o seu quarto ( veja aqui) e passei a monitorar com a babá eletrônica.

E senti muita saudades quando as duas passaram a dormir em seu próprio quarto. Eu adorava aquele bebezinho respirando ao meu lado. E com certeza dormia muito mais tranquila pois a qualquer sinal de alerta, bastava abrir os olhos sem precisar levantar e ir até outro quarto.

Eu mantive esse esquema em prol do meu bem estar, pois sei o quanto é cansativo cuidar de um bebê sozinha pelas noites. Porém sempre tentei respeitar uma rotina de horários e de criar um ambiente para o sono delas,  como já tanto contei nos post sobre organização de rotina.

O que acho interessante é que o mercado vem desenvolvendo produtos incríveis para colocar o bebê ao lado da mãe e facilitar nossas vidas. Vejam quantas opções interessantes. Não vi nenhuma delas para vender por aqui, mas acho que qualquer marceneiro bom pode fazer um bercinho desses, basta deixar um lado aberto.

b01 b02 b03 b06 b07 b08

 

Se eu fosse voltar ao tempo e soubesse como seria cuidar de um bebê a noite, já teria colocado na minha lista de enxoval um bercinho desses!

 

E vocês, deixaram o bebê no seu quarto quando era pequenino?

 

 

 

 

Comentários 7

3

8 setembro, 2014
Por Katia Ouang

Hoje vou abordar um assunto diferente e que diz respeito à saude da mulher; a prevenção do Câncer de Mama.

E por que vou falar sobre isso aqui no blog já que o foco é maternidade ? Pois sei muito bem que depois que nos tornamos mãe, esquecemos um pouco de cuidar de nós para cuidar dos nossos filhos. E garanto que boa parte das mães vive essa realidade. Tudo que se diz respeito aos filhos, é prioridade. E nós , o que der para fazer ok. O que não der, paciência.

Mas quando estamos falando de saúde não funciona bem assim. Acima de tudo nós mães temos que estar bem.

Sempre me cuidei, faço check up , vou ao ginecologista todo ano, e tenho o costume de fazer o auto exame. E por não ter histórico de câncer de mama na minha família,  não me preocupava tanto com esse assunto, já que a mamografia seria indicada a partir dos meus 40 anos.

Até que há alguns dias, em um exame de rotina no consultório, o médico diz; Katia, encontrei um nodulo no seu seio esquerdo, vou te pedir um ultrassom de mama e uma mamografia. E eu disse; Mas precisa mamografia? E o médico disse; Com certeza! Precisamos checar!

Meu mundo parou naquele momento, uma mistura de pânico, medo, e imediatamente minha reação foi acreditar que poderia ser algum tipo de tumor. O médico estava tranquilo, disse que acreditava não ser nada de mais. Mas nada de mais não significa certeza de nada não? E eu só pensava nas minhas filhas….

Me deu esse pânico pois eu já conhecia alguns casos de pessoas próximas que a descoberta de um nódulo em consultório, virou um processo longo e sofrido entre cirurgia e quimioterapia. E como eu já sou de natureza meio neurótica com a minha saúde, acabo sempre imaginando o pior. Como eu iria passar 3 dias na praia para comemorar meu aniversário logo no dia seguinte, prometi que não pensaria mais no assunto até chegar o dia dos exames.

A real é que alem do pânico de qualquer doença, eu também tinha medo da mamografia em si, pois sabia ser um exame extremamente desagradável e dolorido. Lembro de várias vezes na minha infância minha mãe reclamar desse exame contando que ficou machucada e que doía bastante.

Por incrível que pareça, consegui conter a ansiedade e os pensamentos ruins sem pensar no assunto e aproveitando meus dias em família.

 

Chegou o dia do exame e então nesse dia eu comecei a me estressar. Nem tanto pelo exame, mas sim porque sabia que iria surtar até saírem os resultados.

 

A mamografia em si é de fato bem chatinha, incomoda, dói, mas nada que alguns minutinhos não resolvam. Eu achava que seria bem pior. E isso de certo modo já me deixa mais tranquila pois daqui para frente , será um exame de rotina na minha vida. Já que acabei de fazer 39 anos.

Depois da mamografia fui fazer o ultrassom de mama.  No ultra a médica me tranquilizou um pouco dizendo que não encontrou nada , que se tivesse estaria muito no comecinho. Mas só a mamografia teria como confirmar. Porém pelo tom dela, já deu para sentir que não era nada de mais.

E graças a Deus , não era mesmo! O  resultado saiu 2 dias depois e só indicou nódulo benigno.

Queria contar essa experiência para mostrar a importância do auto exame para poder descobrir qualquer coisinha desde o inicio. Nós podemos ajudar e muito para que um nódulo seja descoberto a tempo de fazer um tratamento bem sucedido. E confesso que toda vez que vou me examinar, fico um pouco tensa com medo de encontrar um carocinho. Mas faz parte. E mil vezes isso a ter que tomar um susto de encontrar algo já mais avançado.

Acho que quando somos mãe, qualquer resfriado já nos deixa super preocupada. Imagina se for algo mais sério então.

 

Para quem não tem o hábito do auto exame, busquei uma imagem explicativa e bem interessante:

autoexame_mama_materia

 

 

Vale também a pena dizer que alguns sinais podem indicar o câncer de mama , veja:

227657_425023940899939_1436819439_n

Então se você perceber mesmo que sutilmente qualquer alteração na mama, consulte seu ginecologista. Ninguém melhor do que ele para te orientar.

 

Assunto não tão leve para começar a semana, mas de muita importância para nós mulheres. Cuidar da saúde é o ponto número 1 do meu Projeto Super Mommy!

 

E bola para frente com uma ótima semana para todas´nós

 

Comentários 4

1

4 setembro, 2014
Por Katia Ouang

Quem me acompanha no instagram já percebeu que quase todos os dias dou um “Boa Noite” com a foto de algum quartinho fofo de criança.

Eu amo pesquisar decoração de festas e quartos pois acho que sempre tem alguma idéia bacana e diferente que podemos usar.

Hoje o tema é quarto para irmãos. Sejam, 2 meninas, 2 meninos ou menino com menina. Vejam quantas idéias lindas para quem como eu,  pretende colocar os filhos dormindo juntos logo mais!

 

image image image image image image image  image image image image image image imageimage image image image image image image image image

 

 

Imagens meramente ilustrativas – Fonte de Pesquisa – Google Images, Instagram, Pinterest.  Se você for  o autor ou proprietário de alguma delas e deseje que sejam colocados os créditos devidos ou mesmo sua remoção, favor enviar um email para [email protected]

 

 

 

 

Deixe um Comentário

2