26 janeiro, 2015
Por Katia Ouang

nunu

Pensei que me livraria desse post até pelo menos a Manu completar uns 3 anos. Mas esse momento chegou antes do que eu imaginava, e veio com força total !

Desde o dia que a Bruna saiu do berço ( com 3 anos), minha paz noturna terminou. De uma criança que dormia 13 horas por noite com porta fechada e luz apagada e ainda 2 horinhas depois do almoço, virou uma criança que cada dia dorme em um lugar, seja na sua cama, na minha, no sofá da sala… enfim, mas que sempre termina com sua vinda para minha cama no meio da madrugada.

Passei meses insistentemente, vocês acompanharam aqui, tentando reorganizar o sono dela, até que me rendi ao comodismo de simplesmente compartilhar a cama. Já que nesse caso não me atrapalha em nada, não tem estress, e ainda faz com que ela durma mais e melhor.

A Manu seguia muito bem pelo mesmo caminho. Dava um trabalhinho ou outro para dormir a tarde, mas a noite sempre foi porta fechada, luz apagada e dormindo sozinha por 12 horas.

Até que na última quinta feira não quis mais dormir a tarde. E não só não quis, como chorava de uma maneira que nunca vi para tirá-la do berço. Não forcei e esse dia ela não tirou sua soneca. Mas dormiu normalmente a noite já que estava super cansada.

Na sexta o episódio da tarde se repetiu. O choro era diferente, de medo, de agonia. Diferente de birra e manha que depois de um tempo ela desiste e dorme. Definitivamente, não dava para deixá-la no berço. E olha que sou uma mãe mas radical nesse sentido e sempre deixei chorar com moderação.

Entendi que ela simplesmente não queria mais esse sono da tarde por algum medo ou simplesmente porque cresceu e quer brincar.

Só que na hora de dormir o escândalo da tarde se repetiu com força total. Mesmo morrendo de sono ela gritava dizendo não querer dormir.  E aí pela primeira vez pulou o berço e caiu com tudo no chão. Graças a Deus, só um roxinho no cotovelo e uns minutos de choro.

Depois que eu a acalmei disse; Manu você quer dormir na cama? A mamãe coloca a grade e você dorme lá pode ser? E ela disse que sim. Arrumei a cama que tem no quarto dela, coloquei uma gradinha , seus bichinhos e chupetas e a acomodei.

Na tentativa de sair do quarto e deixa-la sozinha, como sempre fiz, o escândalo voltou. Me pediu para ficar, para esperar ela dormir. E lá fiquei eu por mais de 1 hora.

Deixei a porta semi aberta pois não saberia se ela iria estranhar a cama ou qual seria sua reação durante a noite.

E então as 3 da manhã ela começou a chamar por mim chorando. Fui até la, disse que ela precisava dormir, e esperei no pé da cama ela pegar no sono. E então quando eu me levanto para voltar ao meu quarto, começa o choro de novo. Foi uma gritaria só, dizendo que não queria ficar lá sozinha, e então saiu correndo e subiu na minha cama.

Eu exausta coloquei ela ao contrário, pois já somos 3 apertados na cama, e agora com a Manu, alguém teria que sair. Meu Deus, vou ter que comprar uma cama com 1 metro a mais!

E então ela dormiu até as 7 da manhã.

No sábado nem tentei colocar ela para o sono da tarde e propus para a Bru e Manu se elas queriam dormir juntas. A Manu deixou claro que não queria mais o berço dela. Sim, ela disse que eu poderia dar para outra criança! Mas me pediu o berço portátil que fica guardado debaixo da cama. Falou; Mamãe, quero dormir nesse bercinho no quarto da Bruna!

Pedido feito e cumprido! Montei o berço no quarto da Bruna, coloquei as duas para dormirem na mesma hora e fiquei sentada na cadeira esperando as duas dormirem. E e elas dormiram!

Tudo ótimo até que as 4 da manhã a Bruna veio para a minha cama, e as 5 a Manu começou a gritar querendo vir também.

Domingo o processo todo se repetiu.

A Manu mal cabe no bercinho, mas por enquanto se é lá que ela quer dormir, vou deixar.

E hoje estou eu aqui como um zumbi e com a cabeça fritando em como vou contornar essa situação. Não tenho condições de dividir a cama com as duas. Mas também não acho justo que a Bruna venha a mais de um ano dormir comigo, e a Manu não possa.

A solução sim é cortar as duas. Mas estou sem saber como fazer. Pois já tentei de todas as maneiras levar a Bruna de volta para sua cama, mas elas sempre volta. E muitas vezes eu mesma nem vejo ela entrando na minha cama.

O tempo passa muito rápido. Parece que ontem estava ensinando as duas a entrarem em uma rotina. E me orgulho de ter sido super rígida nos primeiros anos delas para que tivessem um sono tranquilo e continuo.

Eu achava um desafio colocar um bebê na rotina. Agora alguém me diz como colocar uma criança, ou melhor , duas, dormindo a noite toda no seu quarto sem que levantem e venham para o meu? Dentro do berço é fácil, mas a partir do momento que elas podem abrir a porta, podem acender a luz, descer da cama e andar sozinhas, é muito mais complicado.

Estou ainda pensando em como achar uma bonificação para a que dormir no quarto a noite toda, ou mesmo criar um ambiente diferente para elas, um quartinho novo, não sei…

Por isso eu começo a semana perguntando… Alguém conseguiu “descompartilhar” a cama?

Beijos e Boa Semana!

*K*

Comentários 23

3

17 fevereiro, 2014
Por Katia Ouang

cama

Hoje queria contar um pouco de como evolui a questão do sono da Bruna, ou melhor, não evoluiu muita coisa.

Mas antes de tocar nesse assunto queria responder a pergunta que grande maioria das mães me fazem em relação ao sono do bebê…. ” Meu filho tem x meses e dormia super bem até uns dias atrás, de repente voltou a acordar, ficou manhoso e dormindo mal, será que ele não vai voltar a dormir como antes?” Acho que a maioria das mães que tem bebês até 12 meses que dormem bem a noite se apavoram quando de um dia para o outro, o bebê não dorme tão bem. A real é que por mais que a gente acredite que colocou o bebê na rotina, até os 12 meses os bebês ainda podem ter alterações no sono por “n” motivos, desde o estirão de crescimento, uma gripe, uma tosse, um dente nascendo, um dia agitado demais, uma viagem…. qualquer coisa pode interferir no sono do bebê. Eu passei bastante por isso com a Manu que apesar de dormir bem, tinha semanas que eu acreditava que dava um passo para frente e dois para trás. Minha dica é sempre manter a mesma rotina e não se render ao bebê, exceto se ele estiver doente. Pois nem nós adultos dormimos tão bem todas as noites, imaginem os bebês. Por isso, muita paciência e rotina!

Quem não leu os posts anteriores vou resumir; eu paguei a língua de tanto falar que minha filha era um exemplo de sono perfeito, que dormia 12 horas sem acordar desdes os 3 meses, que dormia de porta fechada e luz apagada e que ficava no berço sem reclamar até pegar no sono. Bom, essa maravilha foi dos 3 meses aos 3 anos. E de repente , de um dia para o outro e concomitante com a troca do berço para a cama, a hora do sono virou uma tormenta.

Além de não querer mais dormir no quarto, queria luz acesa, porta aberta e eram até 2 horas para conseguir fazer ela dormir, seja contando história, seja lendo um livro. E depois ainda vinha a madrugada toda pingando vindo para o meu quarto e eu levando de volta.

Até que me rendi ao cansaço, era mais fácil deixa-la dormir na sala e levar para cama e depois deixar vir para a minha. Mas eu não estava satisfeita com isso. Nada satisfeita.

E então decidi que teria a maior paciência do mundo e faria ela dormir sozinha de novo a qualquer custo.

Me revezei com meu marido durantes semanas, cada dia um deitava com ela, contava história e ficava lá até ela dormir. Era sempre mais de 1 hora para conseguir que ela dormisse. E mesmo assim, ela vinha para nosso quarto de madrugada.

Já cansada de tanto levar ela de volta, decidi que dormiria no quarto da Bruna até essa fase passar. Então passei  o mês de dezembro dormindo na cama ao lado a dela para entender o porque ela estava acordando tanto a noite. Cheguei a conclusão que ela acordava algumas vezes seja para pegar a chupeta, para se cobrir, enfim, e no berço ela não tinha como sair. Na cama sim. Dormindo ao lado dela ela apenas levantava a cabeça, me via e voltava a dormir. Com isso eu também dormia melhor já que não precisava mais sair da cama. E por algumas noites eu pude dormir a noite toda.

O próximo objetivo seria  reduzir o tempo da historia que eu contava para ela dormir , e por último voltar a dormir no meu quarto. ( Haja Paciência!)

Parece loucura, mas a cada dia eu cronometrava 5 minutos a menos em cada historia até chegar em 10 minutos. Eram 10 de historia e mais 10 no silencio até ela dormir. E de fato estava funcionando.

Até que fomos para a praia e dormimos todos juntos no mesmo quarto. Lá não contava história. Como ela ficava exausta eu apenas me deitava na cama ao lado em silencio e esperava ela e a Manu dormirem. E a Bruna  dormia em 10-15 minutos.

Voltando para casa decidi cortar de vez a historia e também desmontar a cama que tinha ao lado dela. Só fico no quarto com ela em uma cadeira, conversamos um pouco e então digo que é hora de dormir. Ela sai da cama, fala que está sem sono, enfim…. e eu digo; “A mamãe vai ficar aqui até você dormir, se você não ficar quietinha agora vai dormir sozinha…” Aí ela para e eu espero ela dormir. Tem dias que em 10 minutos ela dorme, tem dias que leva até 1 hora, mas paciência. A porta fica aberta, a luz do corredor acesa e então ela dorme.

Também tinha decidido que iria levar ela de volta caso viesse para a minha cama quantas vezes fosse necessário. Consegui por uns dias, até que desisti. Estava muito cansativo, eu fiquei exausta, tinha que acordar de 1 em 1 hora e eu sem dormir não funciono no dia seguinte.

Então hoje ela dorme na cama dela e quando vem para a minha, eu deixo. Tiveram alguns poucos dias que ela acordou na cama dela. Mas a maioria vem para a minha cama de madrugada e lá fica até acordar. O chato é que ela se mexe demais, chuta, reclama e ainda acorda junto com o meu marido, antes das 6 da manhã e faz o favor de acender a luz do quarto.

Paciência…

Conversando com várias amigas com filhos acima de 3 anos, me disseram que também acontece isso. E muitas vezes o que consola uma mãe é saber que ela não está sozinha, e que o nosso problema é o que acontece na maioria das casas com criança.

Fiquei sim um pouco frustrada com tudo isso. Principalmente porque fiz tudo que eu podia para tentar reverter essa situação. Eu nunca considerei a cama compartilhada aqui em casa, sempre fiz de tudo para que as meninas dormissem sozinhas. Ainda mais porque a Bruna dormindo conosco nenhum de nós dorme bem, e isso atrapalha o sono dela também. Mas agora vou levar assim com esperança que naturalmente as coisas voltem ao seu lugar.

Pelo menos tranquila que fiz tudo que eu poderia inclusive levei até em terapia para tentar entender se era algum medo ou algo específico. E sobre a terapia vou contar no próximo post.

E vocês mamães, alguém passou ou passa por algo parecido e conseguiu fazer com que a criança voltasse a dormir sozinha a noite toda em seu quarto? Me contem a formula mágica!!!!

 

Comentários 15

5

18 setembro, 2013
Por Katia Ouang

Esse é um dos temas que mais me pedem para escrever que também se enquadra na série “Organizando a Rotina” que tanto falo por aqui. É mais um “braço” do post sobre Disciplina na hora de dormir  que vai descrever em detalhes como consegui que as meninas dormissem sozinhas.

Eu sempre fico um pouco receosa em falar em alguns assuntos. Pois não sou psicologa, pedagoga ou nenhum tipo de profissional que consiga explicar bem algo sobre comportamento infantil. Por isso sempre digo e repito, qualquer dúvida em relação ao seu filho, consulte sempre o seu pediatra!

Baseado em minha própria experiência, fazer com que seu filho durma sozinho é sim uma tarefa que cabe a nós mães. E  o quanto antes você acostumar seu filho, melhor. Quanto menor o bebê, mais fácil de se adaptar e de levar isso para uma vida toda. Por isso se você ainda está grávida ou com bebê recem nascido, as chances de sucesso são bem maiores. Com bebês e crianças maiores também é possível ,basta ter muita, muita paciência. Lembrem, nunca é tarde para começar!

Eu nunca tive babá que dormisse no quarto com as meninas. Exceto no 1o mês da Manuela que contratei uma pessoa para me ajudar a noite durante  alguns dias pois eu passei super mal do parto e estava muito cansada. Mesmo assim, eu acordava quantas vezes fosse para amamentar. Não ter ninguém que durma com o bebê é ultra cansativo. Mas também te obriga a ter disciplina desde o começo e não depender de ninguém.

Por isso eu sempre soube que o quanto antes minhas filhas dormissem sozinhas, melhor para mim. E também ja haviam me alertado em relação a fazer aprendê-las dormir sem nenhum artificio, como balançar, mimar no colo, empurrar o carrinho, adormecer mamando, etc….Qualquer uma dessas técnicas uma vez que o bebê se adapta, você não consegue mais tirar.

Então vamos 1 passo de cada vez…

A primeira idéia é adaptar o seu filho ao dia e a noite como falo AQUI.

E depois as seguintes etapas:

– Ambiente escuro e silencioso
Desde o primeiro dia do bebê em casa deixe o ambiente do sono noturno sempre escuro e silencioso. Mesmo que o bebê durma no seu quarto. Não assista televisão com ele ao lado ou muito menos deixe a luz acesa ou fique conversando com o marido. Mesmo não estando no sue proprio berço ele já vai acostumando com o escuro e o silêncio. Assim quando for passar para o berço precisa apenas se adaptar ao espaço maior, e não ao ambiente de luz e sons.

– Curta os 3 primeiros meses
Até 3 meses todo e qualquer agrado e mimo não prejudicarão o bebe. Nessa fase a maioria dos bebês ainda precisa de colo e aconchego e um excesso disso não fará mal desde que bem administrado.
Se voce quiser passar boa parte do dia com o seu bebê no colo, passe. Só não faça isso na hora de dormir.
Nessa hora o colo serve apenas para arrotar e em seguida já vai para o berço.

– Fazer a transição definitiva para o berço.
É importante que para uma adaptação em aprender a dormir sozinho, o bebê ja esteja dormindo no seu proprio berço e no quarto que ele ficará nos próximos meses. Veja como fazer essa transição AQUI
No meu caso a Bruna foi para o berço dela com 2 meses e a Manu com quase 5 meses. Mesmo assim até uns 6 meses essa adaptação ainda é tranquila.

Em com isso, a  partir do dia em que o bebê está definitivo no seu próprio berço, você já pode ensiná-lo a dormir sozinho.

Não será fácil nos primeiros dias. Mas lembre sempre, tudo que for difícil agora, será pior com a criança maior. Então com um pouco de paciência e principalmente, tranquilidade, você conseguirá que seu filho durma sozinho. Digo tranquilidade pois isso é o mais importante de tudo. É a tranquilidade da mãe que dará segurança para a criança dormir sozinha sem traumas.

Também acho essencial e imprescindível a rotina. De nada adianta você querer que seu filho durma sozinho se um dia você deixa ele adormecer no sofá, no outro no carrinho, um dia dorme cedo, outro tarde…. Estipule um horario para dormir e siga a risca isso no primeiro ano da criança. Com rotina e dormindo sempre no mesmo horário, logo o corpo da criança funcionará como um reloginho e o soninho virá naturalmente quando a hora de dormir se aproxima.

Outra dica bacana é criar um “mini ambiente” dentro do berço. Deixe sempre 1 bichinho na mesma posição do berço. Use sempre as mesmas cores de lençol e mantas e não mude nenhum quadro ou mobile de lugar durante o aprendizado do sono. Logo o bebe vai entender que aquele é o seu cantinho e que seu “amiguinho” estará la todos os dias para fazer companhia. A maioria dos bebês acaba criando algum hábito como segurar um bichinho, um paninho, mexer em algo… Aqui a Bruna não dorme sem a naninha pois ela precisa segurar algo para dormir, e a Manu gosta de segurar uma chupeta em cada mão. Vai entender…. Mas a partir do momento que você perceber que seu filho tem alguma dessas manias que ajudam a adormecer, mantenha!

Em relação à chupeta, vai demorar uns meses para seu bebê aprender a pegar sozinho. Mas desde o inicio já deixe varias pelo berço. Isso vai facilitar quando você tiver que colocar. E acredite, a Manu com 6 meses já pegava sozinha a chupeta. É só não ter que procurar muito por elas… Por isso, coloque 20 se for preciso! e nunca amarre ou prenda na grade ou em correntinhas, isso é super perigoso. Chupeta sempre solta no berço!!

Então vamos lá…

Eu associo muito o soninho ao leite. Seja mamando no peito, ou na mamadeira, todo bebê acalma e fica com sono após mamar a noite. Portanto faça disso um ritual diário.  Amamente ou dê a mamadeira já com o quarto escuro, em silêncio. Acabou de mamar vai direto para  colo arrotar. Depois de arrotar ( ou mesmo se não arrotar ) já vai direto para o berço.

Aí que normalmente o bicho pega! É nessa hora que eles começam a chorar.

Dê um beijinho de boa noite e não prolongue muito. Saia do quarto, feche a porta e fique de olho pela babá eletrônica ou escutando atras da porta.

Com muita sorte se não houver choro, deixe o bebê lá. Alguma hora ele vai dormir. Não entre ou pegue no bebê mesmo que ele demore um tempão para dormir. Se ele não chorou, é porque está tudo bem. E aos poucos ele vai dormir cada vez mais rápido. Sim, essa é a cena perfeita.

Mas e quando o bebê não para de chorar???

Aí eu sei que é polêmico, mas tem que deixar chorar. Pouco, mas tem que deixar. Sou 100% contra deixar o bebê se acabar de chorar e deixando claro que sempre que deixei foi com muito bom senso e sabendo que faz parte do aprendizado. Vale dizer que nenhumas das meninas teve colicas ou refluxo. Nesse caso o choro do bebê é bem diferente e tem que ser amparado.

E aí que vem a santa paciência de mãe que você terá que ter por alguns dias.

Quem leu o Nana Nene e já aplicou, sabe que na maioria das vezes funciona. Mas acho que o segredo é realmente dosar esse tempo de choro para que ele não seja traumatico para o bebê , e para a mãe. Pois no fundo quem sofre mais é sempre a mãe.  Por isso no primeiro dia coloque o bebê no berço, saia do quarto e espere. Se o bebê começar a chorar desesperadamente, espere 1 minuto, entre no quarto, acalme o bebê conversando ou fazendo um carinho, mas não tire do berço. Mesmo que seu bebê tenha 2 meses, converse com ele normalmente, diga que esta tudo bem, que a mamãe esta por ali…. por mais que ele não entenda o tom da voz já passa uma sensação de segurança. E lembre de fazer isso naturalmente, sem medo, sem sofrer. Pois os bebês sentem muito a insegurança da mãe. Quanto mais tranquila voce estiver, mais confiança irá passar. E repita isso quantas vezes for necessário mesmo que passe a noite entrando e saindo do quarto. E acredite, uma hora seu bebê se renderá ao sono. Não necessariamente no primeiro dia, mas em poucos dias ele começará a entender que por mais que ele não queira ficar lá, a mamãe está por perto e sempre aparece no final.

A Bruna nunca me deu trabalho. Mas a Manu, apesar de dormir a noite toda,sempre tem um showzinho. O sono da tarde é só eu colocar no berço que ela fica em pé, chora e me chama sem parar. Dura uns 2 minutos. Aì ela vê que não é hora de fazer isso, deita e dorme. Quase todos os dias são assim! E a noite até que ela fica quietinha no berço. Mas ela tem o sono muito leve, se bater alguma porta ou alguém falar perto do quarto dela, pronto! Ela dá um pulo, começa a gritar e chorar e quer sair do berço. Também dura no maximo uns 2 minutos e então ela deita e dorme. E é super chato isso pois eu sempre entro no quarto para vê-la antes de eu ir para cama, e se eu respirar mais alto, ela acorda, me vê, e aí é um Deus nos acuda. Eu tenho que falar que é hora de dormir, dou um beijinho e saio com ela em pé chorando. Dá muita dó. Mas ela chora um pouquinho e então dorme.  Ontem mesmo ela acordou as 2 da manhã tossindo muito, deixei ela em pé no meu colo um pouco para melhorar e quem disse que depois ela queria voltar para o berço? Já para colocá-la de voltar é um perrengue, ela estica o corpinho para não deitar, é muito esperta.  Mesmo assim eu respiro fundo, olho nos olhos dela e falo: Manu, agora é hora de nanar, a mamãe vai nanar também. Dou um beijo  e saio. Só de virar as costas ela já começa a chorar. Mas logo desiste, deita e dorme.

Para chegar nesse ponto dela só chorar um pouco, foram meses de muita paciência em que quase desisti e por inúmeras vezes tive vontade de trazer para a minha cama. E acho que ela ainda está no processo do aprendizado. Pois gostaria que ela não chorasse mais, nem esse minutinho que me deixa com o coração na mão. Por isso ainda sigo firme e forte , sem desistir.

Não existe ter a situação ideal, pois nossos filhos não são um robozinho que podemos acionar um botão e desligar na hora de dormir. Cada criança tem seu tempo, suas vontades e suas necessidades. Umas tem mais facilidade para se adaptar a rotina, outras passam meses tentando, umas adoram escuro, outras não. Não importa. Acho apenas que  como mães, temos que batalhar e nos esforçar para conseguir que a criança tenha o mínimo de disciplina para uma boa noite de sono, dentro do que for saudável e viável. Pois todo aprendizado de agora, seguirá por vários anos.

Não desistam e nem se rendam ao cansaço. Pois muitas vezes a mãe não aguenta mais levantar a noite toda e acaba trazendo a criança para a sua cama. Isso apenas resolve o problema naquele momento. Mas a longo prazo será ainda mais difícil.

Esse foi o relato da minha experiência, que ainda não terminou. Mas a curto prazo posso dizer que já estou quase lá!

E vocês, como foi o processo para  fazer seus pequenos dormirem sozinhos?

Comentários 39

8

20 agosto, 2013
Por Katia Ouang

manuem pre

Essa foto foi da semana passada, mas assim que eu publiquei no meu instagram ( @blogminhasdikas) surgiram muitos comentários. Isso porque eu relatei que a Manu não queria dormir e que eu estava louca para pega-la e trazer para a minha cama. Acabei recebendo algumas críticas então acho que valia um post para eu conta um pouquinho sobre como funciona a cama compartilhada aqui em casa.

Ou melhor, ela simplesmente não funciona!

Simplesmente porque a Manu não dorme em nenhum lugar que não seja o berço ou o carrinho dela. E é por isso que não peguei e trouxe para dormir comigo.

E acreditem, existem sim bebês e crianças que não conseguem dormir na cama dos pais!

É frustrante, sim é.  Mas acho menos frustrante um filho que não queira dormir com os pais, do que um filho que não queira dormir em sua própria cama nunca.

Tudo na maternidade é uma escolha. Ganha de um lado, perde do outro, e nós mães adaptamos a nossa rotina e ao que consideramos melhor para os nossos filhos e mais prático para nós.

Aqui em casa é assim. Nenhuma das duas gosta de dormir na minha cama. Pois tanto a Bruna, como a Manu, sempre dormiram em seu berço com a porta do quarto fechada e a luz apagada. E estão habituadas a isso desde bem pequenas, tanto que qualquer mudança elas estranham.

Com a Bruna eu ainda pude usufruir da delícia de dormir abraçadinha com um bebê. Dos 4 meses até uns 18meses, ela acordava as 6 da manhã em seu berço, eu trazia para minha cama, e dormiamos juntas até as 9. Era o verdadeiro paraíso! Nunca senti culpa ou pensei que poderia estragar a rotina dela fazendo isso, porque simplesmente ela dormia sozinha as 20 horas e nao chorava antes das 6.

Com 18 meses ela naturalmente começou a dormir até as 7.30-8 sem acordar as 6. Então não vinha mais para a minha cama.

Eu tentei com a Manu a mesma “tecnica”, mas não deu muito certo. Ela não dorme na cama conosco nem quando era recem nascida.

No geral, eu não tenho nada a reclamar, pois elas são super disciplinadas com o sono. Mas nas poucas vezes que saimos da rotina como quando viajamos , é um caos. Elas não querem dormir na cama conosco, estranham outros berços, enfim.

O mais chato não é apenas isso, é quando estão doentes e você não quer deixar seu filho dormir sozinho mas ele também não dorme com você. Então você tem que ficar de plantão no quarto deles sem muita escolha.

Isso tudo para dizer que não podemos simplesmente escolher o que queremos. A primeira escolha nós podemos fazer; que é acostumar seu bebê a dormir sozinho ou dormir sempre com você. Depois disso não é porque algumas vezes eu tenho vontade de dormir com elas que eu vou conseguir. Eu fui a única responsável por acostumá-las a dormirem sozinhas com uma certa rigidez de rotina.  E quebrar essa rotina para elas é estranho, elas não se adaptam. Infelizmente a criança não tem um botãozinho que a gente programa: Hoje ela vai dormir comigo. Amanha no berço…. Ah se fosse assim….

Então não pensem que eu sou uma geladeira e deixo a criança acordada no berço. Tanto a Manu como a Bruna não sofrem com isso, pois foram acostumadas desde cedo a ficarem sozinhas no berço. Elas entendem que muitas vezes o sono pode demorar um pouquinho, mas logo ele vem.

Cada mãe sabe o melhor para a sua casa, sua rotina e o bem estar dos seus filhos. E eu entendo 100% a mãe que deixa o filho fazer o que quiser pois muitas vezes somos tomadas por um cansaço  tao grande que o que facilitar nossa vida , nós permitimos.

Quem compartilha cama e não se incomoda da criança dormir junto todas as noites, ótimo.

Quem não compartilha por achar que seja melhor para a criança dormir sozinha, ótimo também.

E melhor ainda quem consegue compartilhar só as vezes ! Essas mães sim tiveram sorte.

Eu sinto vontade sim de dormir com elas. E muita. Mas sei também por amigas com filhos maiores que logo mais eles virão para nossa cama sozinhos, sem a gente escolher se quer o não quer. Pois qual criança depois que aprende o caminho do quarto dos pais não vai dar uma “passeadinha” por lá?

E com vocês, como funciona?

Aproveitando esse tema,  o próximo é um dos mais pedidos por aqui: Como fazer seu filho dormir sozinho! Aguardem!

 

Comentários 38

5