30 junho, 2015
Por Katia Ouang

Hoje me deu vontade de voltar um pouco ao tempo e contar algumas coisinhas que vocês não sabem sobre o blog. E só quem me segue desde 2008 ( sim há 7 anos! ) que talvez tenham percebido todas as mudanças. Nessa tag de hoje tenho bastante assunto para falar,  pois todo esse tempo escrevendo acho que gerou bastante material não?! Por isso vou dividir em partes e espero que vocês gostem!

Vou começar com curiosidades gerais sobre o Minhas Dikas Babies & Kids!

1) O blog começou como Minhas Dikas, eu tinha acabado de casar, adorava viajar, sair, descobrir músicas diferentes e animadas , e meus amigos me pediram para ter um espaço para passar essas dicas. Eu sempre montava um texto para cada amigo antes de viajarem indicando o que fazer, onde comer, e então achei melhor colocar tudo isso online e só enviar o link.  E entre todos os lugares que já indiquei, a viagem que mais amei fazer e super recomendo é a Costa Amalfitana! Casais que querem dar uma escapadinha , esse é o lugar! E foto minha eu publicava no máximo como essa abaixo, bem de longe ! Morria de vergonha.

 

2) Eu era uma aficcionada por moda e desfiles. Sempre que começava a temporada de desfiles lá fora, eu passava a noite toda olhando os looks ( bons tempos!) e montando posts sobre tendências no blog. Certeza que ninguém lia. Mas eu adorava! E confesso que muitas vezes tinha até vontade de postar os meus looks , mas como isso não existia na época, eu pagaria de ridícula certeza. Do tipo; vergonha alheia! Depois disso o “boom” de looks do dia e meninas comuns virando celebridade ficou tão comum, que perdeu a graça! Hoje vejo como não daria para blogueira de moda! Adoro e acompanho várias, mas meu mercado é mesmo o de falar direto com as mães. De vez em quando posto os meus looks no instagram só para brincar um pouco. E para quem não sabe, tem uma pastinha com todos que já publiquei #lookminhasdikas

Captura de tela inteira 30062015 145501

 

3) Eu vibrava quando o blog tinha 50 acessos por dia. Eu acessava os números o tempo todo, e quando bateu 1000 acessos em 1 mês, eu não acreditava! Foram 2 anos falando sobre moda, música e viagens e trabalhando ao mesmo tempo. Os acessos não cresciam, mas também eu não tinha a mínima intenção de ganhar dinheiro com isso. O que aconteceu foi que eu postava todos os dias,  e isso me trouxe uma facilidade em redigir textos e aos poucos melhorando a forma de me comunicar. Quando comecei a falar em primeira pessoa  e contar um pouco mais sobre mim, os acessos começaram a aumentar. E então eu comentei que estava grávida, em 2010. Pronto, de 1 dia para o outro, começou a crescer os acessos e a trazer leitoras super interessadas. Comecei apenas indicando produtos infantis,  e depois fui falando sobre a minha própria experiência. O primeiro post infantil que fiz foi o banho de balde da Bruna! VEJA AQUI.

 

4) O Layout antigo ainda está no ar e eu usava meu nome na URL . Vocês lembram desse formato? ( veja aqui ). E por falar em layout, desde o primeiro em 2008 eu criei tudo;  layout, logo, barras laterais, fotos , etc.

Captura de tela inteira 30062015 150234

 

 

5) O post mais acessado e mais compartilhado entre blogs de maternidade é sem dúvida o do Ninho Baby, algo que aprendi na maternidade e percebi o quanto foi útil para muitas mães com bebê recém nascido. Até hoje indico para todas amigas que estão grávidas como algo simples, pratico e que realmente funciona. Vejam a Manu  com dias de vida, que micra!!!! Quem usou essa dica??

 

Logo mais vou postar curiosidades como os posts mais polêmicos e os mais acessados!!!

Comentários 14

10

26 junho, 2015
Por Katia Ouang

No Fast Tip, dica rápida de hoje, a Terapeuta Maitê Varela responde a uma das perguntas que geram mais duvida nas mães; Como punir a criança ?

Eu passo por isso diariamente, pois estou bem no meio do furacão do terrible twos com a Manuela. E ela, diferente da Bruna, não está nem aí para nenhum tipo de punição. Ela enfrenta, desafia, quase me deixa louca.

O cantinho do castigo até que funciona com ela. Ela chora, grita, mas depois percebe que só sairá de lá se agir sem esse escândalo todo. E é claro, o que vai bem com uma criança, não vai com outra.

 

 

  • Como punir quando o cantinho do castigo ou do pensamento não funciona?

 

Em primeiro lugar, quando se usa este tipo de castigo, devemos pensar se isso faz sentido na sua dinâmica familiar, não acredito em uma fórmula mágica ou em um modelo que funcione da mesma forma para todos, cada caso é um caso.

Muitas vezes estas técnicas não funcionam mesmo porque a criança não entende o que está fazendo lá, ou ainda, não se importa nem um pouco. Além disso, aplicar a mesma punição para todas as situações também fica bastante confuso, tente se imaginar no lugar da criança que fez alguma “besteirinha” em algum momento ou algo mais grave em outro se deparar com a mesma consequência nas duas situações. Confuso, não?

Claro que quando a criança faz algo errado é importante que haja alguma consequência, como normalmente acontece na vida, mas esta consequência deve ter uma relação direta com o que aconteceu e também deve fazer sentido, levando em consideração a idade da criança e a gravidade do que aconteceu. Vamos dar um exemplo desta fase do “terrible two” para ficar mais claro: A criança é contrariada, fica irritada e joga a comida no chão. Uma consequência natural e interessante para este caso seria pedir para ela ajudar (da forma dela) a limpar a sujeira que fez. Muitas vezes, as consequências acabam sendo mais naturais mesmo. Junto com a ação é importante explicar o que está acontecendo (motivo da irritação e o porquê daquela consequência).

Como dito acima, é muito importante refletir sobre o que faz sentido para cada família, mas manter um diálogo aberto com os filhos desde cedo e assumir sua autoridade de mãe ou pai ajuda muito.

 

Maite

Deixe um Comentário

1

23 junho, 2015
Por Katia Ouang

Capturas de tela83

Contei ontem no instagram ( @blogminhasdikas) sobre o que a Manu aprontou com o pote de pastilhas que comprei em NY para elas brincarem no banho… Ela simplesmente jogou tudo na privada e não sobrou uma para contar história, ou melhor, fotografar para vocês.

Então aproveitei o gancho para dar essa diquinha rápida que eu adorei e que vale mostrar aqui.

Essas pastilhas chamam Fizzy Tub Colors , mas sei que outras marcas mais fáceis de encontrar como a Crayola, também algo parecido. São efervescentes e você joga na banheira para colorir a água. Vem nas cores primárias; azul , amarelo e vermelho, que misturadas entre elas, geram todas as outras cores. Inclusive na embalagem ensina a criança a usar duas cores e encontrar uma terceira.

Não são tóxicas ( óbvio !) e não mancham. E 1 pastilha já deixa a água da banheira bem colorida.

A minha embalagem veio com 150 unidades. Daria para vários meses… Mas a Dona Manuela fez o favor de virar o pote na agua da privada que ficou preta e até formou uma espuma de tanta pastilha!

Vão as pastilhas, fica a dica!!!

Comentários 3

4

16 junho, 2015
Por Katia Ouang

Hoje vou continuar meus posts de dicas de comprinhas lá fora mostrando 2 brinquedinhos que foram o maior sucesso por aqui. Sempre deixo elas brincarem por um tempo para ver se são de fato bacana e se vale a pena comprar. Pois vocês sabem o quanto detesto gastar dinheiro com brinquedos que ficam encostados no armário , ou a espera de uma alma santa que abra com chave de fenda aquela caixinha insuportável de pilhas! #prontofalei . Gosto sempre de indicar brinquedos acessíveis, criativos e que possibilitam várias brincadeiras.

A primeira dica que quero passar e que foi “amor a primeira vista” da mamãe aqui, é o Kinetic Sand. Uma areia artificial que não suja, não gruda e tem a mesma textura de uma areia de verdade.

NY11

Em quase todas as lojas infantis tem um corner demonstrando o produto para você poder sentir na mão como é.  Vem desde uma embalagem pequena com um pouco de areia, até a caixa grande que vem com uma quantidade maior.  Mas acho que se o objetivo é  “brincar com areia”, vale a pena investir um pouco mais. Mesmo porque as caixas maiores vem com as forminhas e a base para colocar a areia como essa que comprei para as meninas:

IMG_4719

A textura é a mesma de areia mas a brincadeira é similar a de massinhas. Pois você consegue moldar e dar formas com facilidade. E o mais legal é poder fazer um castelinho de areia dentro de casa! Para conservar basta manter a areia fechada em um saquinho.

Além da que imita a areia mesmo, na cor natural, tem em várias outras cores e até metalizada. Para as meninas comprei a azul e com as forminhas do tema praia e mar, mas tem outras opções.

Essa embalagem com a areia, a base e 4 forminhas custou U$ 25 no Kmart mas tem a opção de comprar só a areia que sai bem mais barato.

 

Outra dica que quero passar e que as meninas amaram, é o Aquadoodle!

NY10

Esse eu ganhei de presente da Re da Fashion Baby NY  e amei! As meninas estão aproveitando muito!

Nada mais é que uma lousa, ou painel, onde a criança pode desenhar . Só que ela só consegue desenhar com a canetinha especial que vem e que funciona colocando agua comum dentro.

Sim, é a mesma idéia daquelas canetinhas da Crayola que só pintam o desenho que vem junto. Mas com uma diferença, no Aquadoodle o desenho aparece imediatamente. Pois pelo menos as minhas filhas  nunca tiveram paciência em esperar a cor dos desenhos da Crayola começarem a aparecer.

Depois de um tempo o desenho seca junto com a água. A vantagem é que não estraga, não precisa de refil e não tem risco de “acidentes” pintando algo indevido na casa…. Mesmo porque se isso acontecer, o resultado será apenas uma manchinha de água no seu sofá!

Esse modelo que a Re me deu é indicado para brincar no carro e tem o formato certinho para a criança apoiar no colo. É uma ótima alternativa aos Ipads para o trânsito de São Paulo. Custa em média U$ 12,00.

Fui pesquisar na Amazon e descobri que tem vários modelos de Aquadoodle , inclusive esse tapetão que fiquei enlouquecida e que será minha próxima compra quando eu viajar:

Kinetic Sand e Aquadoodle aprovadíssimos!

Vocês conheciam???

 

 

1 Comentário

2

15 junho, 2015
Por Katia Ouang

De vez em quando surgem algumas polêmicas no mundo dos blogs e grupos maternos e que eu obviamente, não poderia deixar de comentar por aqui.

A “bola da vez” é o tal do mimimi, ou blablabla, como vocês preferirem. Termo que foi  na minha opinião, muito bem empregado a todo esse momento que estamos vivendo de críticas e discussões sobre quem é a melhor mãe e quem educa seus filhos da maneira ideal.

Ideal? Existe um ideal?

Sim, ele existe! Mas é o seu ideal.

Por isso nunca levantei a bandeira para nada. Vocês sabem que por aqui é vida real! Sempre contei tudo sem ter medo ou vergonha e muito menos, sem intenção de causar polêmica. Mesmo assim aparecem pessoas que por algum motivo, gostam de atirar uma pedra.

Sinceramente, nunca liguei. E para não mentir, a única vez que me incomodou de verdade foi a tal polêmica em cima da leitora que escreveu em um comentário que eu não era merecedora de ser mãe por ter amamentado a Bruna por “apenas” 8 meses. Quem segue o blog lembra disso. Achei triste e desnecessário esse comentário… e não acredito que tenha sido feito por uma mãe.

Se tenho um canal aberto estou sujeita a criticas positivas e negativas. E eu considero cada comentário e opinião que recebo.

Mas o que tenho visto por aí tem me assustado. Mães discutindo quem é a melhor , quem educa melhor, quem é mais presente…. E ainda detonando outras mães que pensam diferente. Em contrapartida, mães se manifestando, se defendendo…. Meu Deus, onde chegamos!

O que acontece é que agora tudo é muito exposto por causa das redes sociais, o que abre espaço para as pessoas se manifestarem como e quando preferirem.

Antigamente quando uma mulher ia para a maternidade, ninguém sabia se era parto normal, cesárea…. e também ninguém perguntava…. por educação, por respeito. A real é que sequer interessava aos outros quanto tempo essa mãe ficou em trabalho de parto ou porque optou pela cesárea.

Agora a grande novidade são as mães postando vídeos de babás maltrando as crianças, gritando, batendo e com isso, alertando ( ou melhor, cutucando) as mães que tem babá para olharem mais para dentro de casa.

Helloooooooo!!!! Desde a época dos meus pais existem babás boas e babás péssimas. Isso não é novidade alguma. O que mudou agora é a nova geração de mães que se gabam por não terem babás e ainda detonam as que tem.

Quem é mãe sabe o que é melhor para o seu filho. Ponto final.

E eu pessoalmente não aguento mais as discussões:

Parto Normal X Cesárea , e agora com a grande novidade do Parto Humanizado, que vem causando ainda mais polêmica do que a cesárea.

Amamentação , assunto que não falo mais pois quase me deixou louca.

Alimentação Saudável , ótimo para as mães que tem tempo para fazer o pão que a criança leva na escola sem açúcar, sem conservantes. Que legal! Pena que a maioria das mães que trabalham querem mais é abrir um saco de bisnaguinhas e colocar na lancheira em 1 minuto. E que bom se seu filho gosta da bisnaguinha integral, pois as minhas não gostam!  Esse mimimi todo em torno de alimentação me enlouquece…

A real é que acho muito triste todo esse panorama onde por um lado pessoas atacam, e por outro se defendem.

Estamos falando de pessoas, que tem coração, que tem sentimento. Acho um horror quando vejo alguém criticando uma mãe porque teve cesárea sem saber porque foi tomada essa decisão. Criticando alguma mãe que não amamentou…. E se essa mãe tentou e não conseguiu. Já pararam para pensar como ela se sente!?

Vou começar a semana deixando essa dica; vamos nos unir mais, apoiar mais, agregar mais.

Por que tudo que uma mãe quer é ver seu filho feliz seguindo seu coração e seus instintos . E com isso educa-lo e amá-lo da melhor maneira possível.

Vocês não acham?

Um beijo e boa semana!

*K*

Comentários 24

24

12 junho, 2015
Por Katia Ouang


Uma das características que as meninas herdaram de mim e que infelizmente exige um cuidado e atenção a mais é a pele seca.

Eu particularmente sofro muito com isso, ainda mais porque tenho preguiça de usar hidratante todos os dias.

Mas com elas a questão é diferente, pois como mãe preciso cuidar para que elas sempre estejam bem.

A Manu desde bebezinho tem a pele muito seca, a ponto de descamar nos primeiros meses.

Então faz parte da rotina hidratar bastante.

Eu aproveitava para fazer uma massagem, sempre após o banho, que ajudava a absorver o creme e relaxa-la. Já era previsível que pós banho e pós massagem, ela capotava!

Hoje se eu esqueço de passar ela me cobra; Mamãe, cadê o meu creminho?!

Com a chegada do inverno tenho tentado dar uma atenção maior principalmente a Bruna, que para completar a pele seca, ainda faz natação 2x por semana. O que resseca muito a pele e cabelo.

Desde o lançamento dos produtos da linha Baby Dove, a rotina mudou por aqui. Pois o sabonete liquido já ajuda bastante a manter a pele hidratada e o shampoo os cabelos. Troquei o sabonete comum por ele e percebi muita diferença.

Agora no frio eu complemento sempre com a Loção Hidratante que deixa a pele cheirosa e hidratada por 24hs.

E para ajudar na minha preguiça de passar hidratante em mim mesma, aproveito o ritual delas para falar; Quem quer passar creminho na mamãe?!”

Elas amam! E enquanto eu vejo tv, as duas brincam de fazer massagem em mim.

Resultado; diversão para elas, pele hidratada para todo mundo!!!!

 

babydove

Deixe um Comentário

4

10 junho, 2015
Por Katia Ouang

tlo

Fiquei realmente impressionada com a quantidade de leitoras que me escreveram após a notícia da minha separação. O carinho que recebi foi essencial para me dar força para não desistir do blog ( algo que confesso ter pensado em fazer) , e também começar a abordar um tema que infelizmente não era o que eu imaginava fazer por aqui, mas que hoje é mais comum do que muita gente imagina.

De maneira alguma quero transformar um momento tão difícil da minha vida em um reality show e muito menos deixar o blog com um clima de tristeza. Quero apenas mostrar como tem sido a minha nova vida com as meninas e mostrar que é possível sim recomeçar mesmo com todas as dificuldades e desafios que a separação traz.

Ninguém imagina o “pacote” que vem junto com uma separação, e você só se dá conta disso quando está vivendo esse momento. O lado bom ( se é que podemos chamar de bom) , é que tem tanta coisa envolvida no processo que o nosso próprio sofrimento fica em último plano.

De um dia para o outro tudo muda radicalmente. E você tem que aprender a viver de uma outra maneira. E não tem meio termo. Então, o que não tem remédio, remediado está. E temos que aceitar essa mudança. É difícil, dói demais, mas a gente sobrevive, cresce, amadurece e aprende que podem existir outras formas de felicidade e também um outro formato de família.

A promessa que me fiz é que não deixaria meu sofrimento afetar a cabecinha das minhas filhas, pois eu sei que posso me virar. Mas elas dependem de mim. Dependem da minha força, da minha alegria e principalmente ; da minha estrutura emocional.

É claro que não sou essa fortaleza toda que vocês imaginam. Eu desabo por muitos momentos, e isso faz parte de todo o processo de mudança. Mas graças ao apoio da minha família  sei que não estou sozinha, e isso faz toda a diferença. Pois a primeira sensação que você tem quando se separa é; ” O que será da minha vida sozinha com 2 crianças!? Será que vou dar conta? E se eu ficar doente? E se eu precisar de alguém de madrugada?”

Por isso, sempre que possível, vou abordar algumas dessas questões por aqui. E já adianto que o ponto que mais pesou em todo esse processo foi o sofrimento das meninas. Isso é o mais difícil de lidar sem dúvida alguma. Você simplesmente deleta o seu sofrimento quando vê sua filha com lágrimas nos olhos e questionando todo esse novo panorama. Nada dói mais do que isso. E como tudo na maternidade, nos traz muita culpa. Culpa que só o tempo ameniza e vai mostrando que só depende de nós pais  transformar esse sofrimento em uma nova forma de amor e união.

Vou também contar sobre a rotina delas entre uma casa e outra, como elas reagiram e como ainda reagem, a difícil tarefa de educar, como são meus finais de semana sem ajuda, as viagens, enfim…. Aos poucos alguns temas vão ficando mais claros para que eu consiga falar não apenas do lado triste, mas também  do lado positivo de tudo isso. Porque o tempo ameniza e ajuda sim! Podem acreditar.

E Graças a Deus tenho um ótimo relacionamento com o pai delas,  que é e sempre foi um super pai , e muito presente como sempre elogiei por aqui. E isso é essencial para que elas se sintam seguras e muito amadas . Não deixamos de ser uma família,  e é isso que eu tenho compreendido cada dia mais.

Hoje eu digo com todas as letras, eu AMO essas meninas mais que qualquer coisa nessa vida. E AMO ainda mais os meus pais que mostram a cada dia o que é ser pai, o que é ser mãe, e o que é acolher de verdade um filho. E é assim que eu tenho agido com elas.

E o lado bom disso tudo? Minha relação com elas está infinitamente melhor e mais forte. Hoje além de minha filhas , viraram minhas companheiras de verdade, minhas amigas, meus grudinhos. Estou mais paciente, mais amorosa e isso tudo se reflete em um melhor comportamento no dia a dia.

E a vida tem que seguir não?!

Obrigada mais uma vez de coração.

Graças ao carinho de vocês vou continuar por aqui, firme e forte ,e com vontade de mostrar para quem já  passou ou passa por uma separação , que é possível a gente tocar a vida e aprender muito com ela. Conto com vocês !

Beijo enorme!

*K*

Comentários 45

38

8 junho, 2015
Por Katia Ouang

ON

Antes de começar a passar as dicas de compras em NY, vou responder a pergunta principal que me foi feita diversas vezes enquanto eu estava lá; Vale a pena comprar no Estados Unidos com o dólar alto como esta?! E eu digo; sim, vale muito a pena! Ainda é vantajoso fazer enxoval do bebê ou mesmo comprar roupas para crianças maiores.

Claro que se você somar passagem, hotel e despesas, não sai barato. Mas levando pelo lado que além de comprar você esta viajando, aproveitando e descansando, acaba valendo muito a pena. Não acho apenas pelo valor, mas também pela qualidade e variedade que é de enlouquecer. A maioria das roupas americanas facilitam muito a nossa vida , pois quase não estragam ou encolhem indo a maquina quantas vezes precisar.

Um ponto que vale ressaltar é;  veja bem a época do ano que você vai viajar. Eu escolhi maio por causa da Feira que visitei de Papelaria. Mas não acho a melhor época para comprar pois é o inicio da coleção de verão deles , então voce não acha mais nada de inverno. É uma época que nem nos outlets tem casacos ou malhas, apenas moletons mais leves, tricots e casaquinhos. Com sorte é possivel encontrar nas araras de sale algum restinho da primavera. Mas casaco quente mesmo, esquece. Passei por isso quando fiz o enxoval da Bruna em maio de 2010, quase que não trouxe nada mais quentinho.

Eu sou muito pe no chão no que diz respeito à compras para elas. Por isso se digo que ainda vale a pena comprar por lá, é porque vou apenas nas lojas que já são de costume baratas. Resisto muito a uma peça mais cara pois sei que vão usar muito pouco. E nos Estados Unidos consigo comprar roupas lindas por um valor sem igual. Então não fico mais pingando de loja em loja ,   vou direto nas que sei que vou encontrar o que preciso pois já conheço e sei que o custo benefício são ótimos. E são elas; Old Navy e H&M, as minhas queridinhas!

Vale lembrar que tem muita loja infantil linda em NY, mas meu objetivo era  conseguir equipar as meninas para os próximos meses com roupas para o dia a dia. Quase tudo comprei nessas duas lojas e posso garantir que não tem nada mais barato. Nem mesmo nos outlets ou supermercados. E eu prefiro concentrar tudo em poucos lugares pois assim consigo combinar as peças melhor , ter uma visão de tudo que estou comprando, e otimizar meu tempo.

Agora vamos ao local onde tudo isso acontece. Não é o lado mais charmoso e muito menos tranquilo de NY. Mas na rua 34, no trecho que vai da 6a à 8a Avenida, é onde estão todas as lojas de fast fashion concentradas , e também uma das poucas H&M da cidade com 1 andar inteiro baby e kids . Além de ter uma Party City (veja post) , a Pay Less Shoes ( loja de sapatos baratinhos que tem tenis e sandalinhas ótimos para as crianças), Gap, Forever 21, FootLocker, e o Kmart, supermercado gigante de 3 andares com tudo possivel imaginável! Então 1 dia nessa região, você resolve tudo para as crianças.

Agora vamos as minhas lojas preferidas e porque dessas escolhas.

H&M : As pecas  são modernas, descoladas e criativas. Meio que uma adaptação  da moda atual adulta para as crianças. Tem muita variedade para meninas e tb para os meninos. A vantagem é que tem muita roupa no esquema compre 2 e leve a 3a de graça, e isso vale para calças, camisetas, vestidos… Adoro a seção de acessórios infantis com bonés, chapéus, laços, bolsas, chinelos, bijus, e até linha de praia! A modelagem é pequena, então compre 1 ou 2 tamanhos acima. Dá para sair carregada de peças e não acreditar o valor final da conta! Valor médio das peças; U$ 5 ! As peças mais caras que comprei foram os tricots, na faixa de U$ 14. Tem bastante opção de roupas mais arrumadinhas também.

 

IMG_4745

 

Old Navy: Não é tao apaixonante como a H&M, mas a qualidade é ótima e o preço também. Quase tudo da loja tem desconto extra quando passar no caixa e ainda há uma parte só de sale do sale, com aquele precinho que a gente ama! Tem muita variedade!  Adoro as camisetas, leggings e moletons . Desde que nasceram as meninas praticamente só usam Old Navy e foram as roupas que mais sobreviveram ! As meias tem a mesma qualidade das da Gap e são mais baratas. Tem bastante sapatinho e sandalia , pijamas ( são otimos!) e linha praia. Vale uma dica; para crianças que já usam o tamanho 5 ( como a Bruna), que é considerado um tamanho de transição  a variedade é enorme, pois ainda tem roupas no Toddler ( último tamanho), e começa no infantil! Aproveitei e comprei várias sandálias e sapatinhos tipo Melissinha, são ótimos e muito baratos. A linha Denim ( jeans) também é excelente; calças, jaquetas e coletinhos na faixa de U$ 10. Minha dica para quem tem paciência é fazer uma compra antecipada pelo site. Vale a pena se cadastrar com antecedência e usar os cupons. Sempre acho algumas opções até mais barato que na loja pois já seleciono por tamanho , escolho o que quero em casa, e mando entregar no hotel.  Também aconselho comprar 1 numeração a mais, as peças são adequadas para a idade mas se seu filho for grande ( como as meninas), o tamanho correto vai ficar bem certinho. Para sapatos principalmente. Comprei 1 numero a mais para cada uma e ficou na medida.

Completei as compras na  Macys , que tem toda as marcas infantis desde as mais baratas até mais bacanas como DKNY e Calvin klein reunidas em um mesmo local e muita arara com restos de liquidação onde é possível achar “aquela” pecinha especial. Meu objetivo na Macys é sempre a seção da Ralph Lauren que eu amo para comprar um casaquinho ( aqueles tradicionais) e achar um vestidinho ou blusa na arara de sale. Aproveitei minha ida dessa vez para comprar lençol para elas pois o preço é inacreditável! Jogos de solteiros estampadinhos para as meninas por U$ 12.99 e para mim comprei com 6 peças King , 300 fios, por U$ 34.00!

NY7

 

Passei na Benetton da 5a Av. , loja não tão popular nos EUA nos circuitos de compra baby e kids , mas com uma qualidade indiscutível , preço ótimo , e também com uma sala só de descontos. A parte Kids fica no 2o andar. Só lá encontrei algumas poucas peças de inverno em sale como calças de veludo e blusão de nylon. Esse blusão é excelente, super fininho e confortável para as crianças e tem toda a coleção. Para quem quer gastar um pouco mais ( pois não é a “bagatela” de H&M e Old Navy porém acessível) e ter uma roupa especial, super indico dar um pulo lá. Fiquei louca com as peças femininas. São super românticas , fiquei apaixonada!

NY8

 

E para finalizar, terminei de falir no Kmart, onde comprei camisolas e pijamas ( tem muita coisa temática e personagens), copos, brinquedos e acessórios ( ainda vou retomar o Kmart por aqui em detalhes!) Minha dica é , compre  gorrinho, luvas, calcinhas, cuecas e meias por  lá, tem muita opção de kits que vem 5 unidades por preço ótimo. A variedade de cores e personagens não tem em nenhum outro lugar. Inclusive meia calça para as meninas, um item que é mais difícil de achar e caro no Brasil.

NY9

Bom, esse foi meu roteiro de compras dessa vez em NY e fiquei super satisfeita! Ainda vou contar sobre lojas para puericultura, enxoval cama e banho, brinquedos e fantasias!  Acompanhem aqui os próximos posts! E quem quiser completar as informações sobre compras para bebês e crianças pode rever meu post sobre minha visita a NY em 2010 onde falo sobre as compras para gravidas e bebês e dou dica sobre os tamanhos e modelagens das marcas! Veja AQUI.

Beijos e bora começar a semana!

*K*

 

 

Comentários 5

4

2 junho, 2015
Por Katia Ouang

A escolha do pediatra talvez seja uma das decisões mais importantes que a mãe tem que fazer antes do bebê nascer. Mesmo porque assim que saímos da maternidade, já temos que levar o bebê para sua primeira consulta.

É é nessa primeira consulta que tomamos um banho de informações onde saímos pensando: Será que darei conta ? Jeito certo para amamentar, arrotar, rotina, como limpar o umbigo, cortar unhas, entender a cor do cocô … entre outras varias informações que fazem nossa cabeça pirar. E uma boa orientação, com carinho e paciência acreditem, faz toda a diferença no primeiro filho.

Lembro que não fui conhecer o pediatra antes da Bruna nascer pois acabei optando pelo meu pediatra, e que até hoje tenho um carinho gigante por ele. Um médico que me abraçou na primeira consulta como pai, e me incentivou de uma maneira super positiva a conseguir amamentar mesmo passando por todas as dificuldades que tive.

Levei a Bruna nele por 1 ano, e então quando engravidei da Manu gostaria de um consultório mais próximo de casa , já que seriam 2 para levar.  Desse dia até hoje acreditem, já troquei umas 4x de pediatra até estar super satisfeita hoje,  mesmo a Manu tendo uma pediatra e a Bruna outra. Isso porque a Manu já teve alguns probleminhas mais sérios ( quem me acompanha sabe) e tem toda uma equipe de um mesmo hospital que possa atendê-la em qualquer emergência.

Então hoje vou listar alguns pontos importantes na escolha do pediatra que por ter passado por todo esse “troca troca” me trouxe bastante fundamento na hora de escolher.

– Empatia: Esse é o ponto número 1. É claro que profissionalismo e competência são indiscutíveis. Mas se você e o pediatra não tiverem uma relação bacana desde o primeiro dia, isso só irá dificultar sua vida como mãe de primeira viagem. Pois no primeiro filho acreditem , é possível que você ligue 200x para o pediatra achando que seu filho vai morrer por causa de uma assadura ou de uma bolinha diferente que aparece no rosto! Já passei as meninas com médicos super competentes, mas morria de vergonha de ligar e estar atrapalhando, ou rezava para o médico atender com toda boa vontade do mundo. Essa sensação nós NÃO podemos ter. Médico é médico, ligue quantas vezes achar necessário pois é o nosso porto seguro quando diz respeito à saúde dos nossos filhos. Por isso acho importante sim conhecer o Pediatra antes do bebê nascer.

– Experiência: Claro que quanto mais tempo dentro de uma profissão, mais experiente o profissional, mais conhecimento sobre todos os assuntos. Porém, nesses quase 5 anos, conheci muitos pediatras da nova geração com competência dos mais experientes e somado a isso a vantagem de serem super atualizados sobre todos os assuntos.

– Referências : Não peça apenas indicação de pediatra no bairro que você mora ou algum que seu plano de saúde cubra. Se informe com outras mães sobre como é a relação delas com o pediatra dos seus filhos, se conhecem outras pessoas que frequentam o mesmo consultório, como foi a participação do Pediatra em algum caso mais complicado, se a agende dele é muito cheia. Tudo isso conta na hora de escolher. Uma opinião de outra mãe pode acreditar que tem todo o valor. Pois ninguém vai indicar alguém que não seja bom para o seu filho.

– Facilidade de Comunicação: Hoje com tantos recursos rápidos e práticos como sms, whatsapp, email, etc, é possível ter um retorno quase que imediato do pediatra sem precisar esperar um dia todo a secretária retornar a ligação como fazíamos antigamente. Perguntas como quantos ml de remédio dar, qual vacina, e até enviar fotos de uma alergia ou machucado facilita muito nossa vida e nos “poupa” de fica sem graça em telefonar só para tirar uma dúvida. Eu praticamente não telefono para pediatra exceto em emergência. Um pediatra que não usa ao menos um sms, não funciona para mim. E foi isso um dos motivos que deixei de ir no meu primeiro. Por ser um profissional mais maduro, nem email usava. Então muitas vezes eu tinha que esperar até a noite para conseguir falar no telefone. Hoje todas as minhas dúvidas eu resolvo por whatssap rapidinho. Seja com a pediatra da Bruna, ou da Manu. Nada como ter uma resposta em poucos minutos! E mesmo com toda essa tecnologia ligue quantas vezes achar necessário se você é do tipo que prefere falar do que escrever. Cada mãe sabe o seu perfil. Por isso escolha um profissional que te deixe a vontade.

– Disponibilidade: Cada vez mais as agendas dos médicos estão lotadas. Mas com criança é sempre melhor passar por um pediatra do que ir ao PS de um hospital e receber um diagnóstico de um médico que não acompanha o histórico dos nossos filhos. Pediatra para mim tem que arrumar um encaixe para ver minhas filhas em caso de necessidade. Pois de que adianta ter um médico que nunca tem horário ou que não pode ver nossos filhos em uma emergência?

– Pontualidade: Claro que um pouco de atraso sempre pode acontecer. E em algumas exceções se o médico atendeu alguma emergência pode  acontecer um atraso maior totalmente compreensível. Mas se for de rotina esperar 1 hora com um bebê para ser atendida, repense se vale a pena. Para mim pontualidade está entre os primeiros quesitos pois como trabalho e tenho meu dia programado, preciso saber que vou conseguir fazer tudo que preciso.

– Valor da Consulta: Se você tem um plano de saúde com um bom reembolso, ótimo. Mas se você não tem, coloque no papel os gastos no primeiro ano do seu filho. Pois até 12 meses a consulta com o pediatra é mensal. Então esse é um custo fixo que você terá junto com todos os outros que uma criança traz. Tem muito Pediatra excelente sem que para isso o valor da consulta seja exorbitante. Claro que o que eu penso ser exorbitante, pode não ser para outras mães. Por isso valor não se discute, cada mãe sabe o que é viável para sua família. Aqui o valor conta sim, e muito. São duas crianças que por um tempo frequentaram quase que todo o mês o pediatra. Então eu tinha 2 consultas por mês como despesa.

– Proximidade: É um fator determinante? Não. Mas posso garantir que para quem mora em São Paulo como eu, isso é uma das condições sim. Pois será que vale a pena atravessar a cidade com o um bebê recém nascido com tantos profissionais excelentes que temos em todos os bairros?

– Estrutura do Consultório: Um dos motivos que deixei de ir no primeiro Pediatra é que o consultório ficava em uma casa, com apenas 2 vagas na frente. Se não tivesse vaga, o estacionamento mais próximo ficava a 2 quadras. Nada prático para uma mãe que desce do carro com um bebê, uma sacola, um guarda chuva…. pois tinham vezes que para completar ainda chovia. Outro ponto a considerar é se existe um mínimo de entretenimento para as crianças na sala de espera. Seja um livrinho, um brinquedo, um desenho na tv. Pois só quem tem filhos na faixa de 1 a 2 anos sabe o que é esperar em uma sala sem nada para fazer. Ok, não é prioridade e você pode levar um Ipad. Mas digo isso por experiência pois muitas consultas que levei as duas juntas o que me salvou foram os brinquedinhos que uma brincava enquanto a outra era examinada.

Mas como sempre o que vale é o bom senso. Cada mãe tem que achar um pediatra que atenda as suas necessidades e a faça se sentir segura e bem acolhida. Pois a realidade é essa; nós como mães gostamos de ser acolhidas por alguém que nos traga segurança!

Espero ter ajudado com esse post!

 

Comentários 2

4

1 junho, 2015
Por Katia Ouang

NSS

O motivo principal da minha ida à NY foi conhecer a NSS-National Stationery Show, a Feira de Papelaria, e com isso trazer novidades e agregar informações para a minha marca , a Paper K.

Não pensava em falar sobre isso por aqui, mesmo porque não tem muito a ver com um blog de maternidade. Porém, para minha surpresa,  tanta gente me escreveu perguntando como foi, o que tem para ver, como foram as palestras, que decidi fazer um post especial sobre isso. Descobri que esse é um tema que interessa muito às mães autônomas, que podem começar a trabalhar com algo criativo e montar seu próprio negócio. E foi assim que eu comecei há 3 anos atrás quando perdi um emprego grávida da Manu e precisava trabalhar e ganhar dinheiro.

Já há alguns anos eu tinha muita curiosidade em conhecer a feira, mas estava esperando minha marca tomar mais forma e se fortalecer para eu poder de fato aproveitar melhor a viagem. Somado a isso, não tinha coragem de deixar as meninas por tanto tempo. Mas recebi o incentivo e presença da minha mãe (que foi uma verdadeira mãe para minhas filhas na minha ausência) e então decidi ir.

Me programei com bastante antecedência para poder pesquisar e me informar bastante sobre o que encontraria por lá . Mas não temos noção do que é uma feira dessas em outro pais até estar fisicamente nela. Não imaginava ser tão grande e com tanta informação. Também não imaginava como o mercado de cartões é aquecido nos Estados Unidos. Mas não são os cartões personalizados que usamos aqui, e  sim os cartões tradicionais que já vem com a frase, aqueles que nós compramos em papelarias para colocar nos presentes de aniversário, para mandar no dia das mães e dos pais, para o namorado, marido… com todos os modelos, formatos e materiais que vocês possam imaginar.

E é incrível como em um pais tão avançado e tecnológico como os Estados Unidos, ainda exista um mercado tão forte para isso. Ao invés de email, whatssaps e recados no facebook, as pessoas ainda mantém o gesto simpático e educado de escrever um cartão de próprio punho. E acreditem, as pessoas ainda vão até as papelarias só para escolher um cartão! Visitei muitas delas e também lojas de presentes em NY e me surpreendi com isso. Até em supermercados e farmácias você encontra corredores só de cartões!

Na Feira a grande maioria das marcas são de cartões. São tantos modelos em cada stand que para o comprador não se perder, cada cartão recebe seu devido destaque expostos de uma maneira toda especial.

Além dos cartões é possível encontrar todos os itens relacionados à papelaria,  acessórios e itens para festas ( isso tem bastante!), convites, gravuras, acessórios divertidos, lembrancinhas, livros e encadernações, presentes, caixas, organizadores, fitas, máquinas e muito mais. Vale ressaltar que na feira não é permitido comprar ou vender nada. Se a idéia é sair de lá com uma sacola cheia de novidades, esqueça. Os expositores trabalham apenas com encomendas.

A feira acontece no Javits Center, um centro de exposições gigante e lindo ! É bem localizado, fácil para ir de taxi ou metro de qualquer ponto que você esteja em Manhattan.

IMG_4379 IMG_4392

 

A feira dura 4 dias e qualquer pessoa com CNPJ pode visitar. O valor da inscrição é bem salgado, por volta de U$ 500, por isso vale se programar com bastante tempo. E as palestras e workshops custam em média U$ 100. Depois de pagar a entrada e fazer a inscrição,( pode ser feito on line) você recebe uma série de contatos como transporte e estadia com melhores valores. Participantes da feira consegue tarifas bem melhores em hotéis excelentes.

Estive em 2 palestras e escolhi as que falavam de negócios através de Redes Socias e Blogs. Tudo a ver com o que eu faço hoje! Foram as duas abaixo:IMG_4417

 

Foi uma experiência incrível! Um mercado bem diferente do nosso, mas com muita informação relevante para agregar! Além de papelaria e festas, recomendo a feira para todas as pessoas que trabalhem produtos criativos.

Tirei centenas de fotos na feira, algo que imaginei que não conseguiria fazer. Mas todos os expositores foram super simpáticos e receptivos. Ainda mais quando viram que eu era do Brasil!

 

Fiz um mix de um pouco de cada produto que vi por lá para mostrar para vocês pois tinha muita coisa, foi até difícil selecionar as fotos. Mas assim vocês conseguem ter uma idéia geral do que vão encontrar.

IMG_4446 IMG_4432 IMG_4445 IMG_4422 IMG_4426 IMG_4378 IMG_4386 IMG_4366 IMG_4356 IMG_4358 IMG_4347 IMG_4349 IMG_4350 IMG_4339 IMG_4331 IMG_4332 IMG_4334 IMG_4328 IMG_4330

É isso, se Deus quiser ano que vem tem mais!

Espero que vocês tenham gostado desse post que foi um pouco diferente do que falo normalmente por aqui, mas que faz parte do meu dia a dia, uma mãe que resolveu montar um negócio próprio para ficar perto das filhas.

Para quem tiver interesse em visitar e quiser um contato mais próximo para tirar todas as dúvidas vou passar o email da Julia Garreaud, que faz parte do staff de organização da feira, e foi super receptiva comigo me ajudando com todas as dúvidas que eu tive. O contato com ela é apenas em inglês : [email protected]

Eu também estou à disposição para quem tenha dúvidas ou perguntas! [email protected]

Todas as informações sobre a edição do ano que vem que já tem data : 15 a 18 de maio, no site da feira: www.nationalstationeryshow.com

Deixe um Comentário

5