Por Katia Ouang

2015-07-21

Sem dúvida um dos maiores pesadelos de quem tem filhos viciados em chupetas é o dia que de alguma maneira, teremos que dar um fim a esse vicio.

Claro, a melhor das alternativas é que a criança tome a iniciativa sozinha. Mas não é sempre que isso acontece então temos que interferir de alguma maneira.

Quem lembra esse processo na Bruna sabe que não foi da maneira como imaginei… Até um pouco traumático ( mais para mim do que para ela) , mas no final deu tudo certo graças a Deus.

Com a Manu eu esperava que seria algo parecido. Eu tinha como limite seus 4 anos, assim como foi com a Bruna. E sempre no meu caso tento ser justa com as duas. O que vale para uma , vale para a outra. Então eu tiraria de alguma maneira até seus 4 anos, que ela completa dia 28 de julho.

Já havia tentado algumas ( muitas vezes!) incentivar a Manu a parar sozinha, a entregar a “pepê”  para a fada. Obviamente não obtive sucesso e nem cheguei perto disso. Era só sugerir algo, que ela abria o berreiro e nem negociava.

A Manu era muito viciada, muito mesmo. A ponto de usar uma chupeta na boca, uma segurando e uma terceira para cheirar.

Bastava entrar no carro para pedir, e em casa era um desafio mantê-la longe das chupetas. Por ela usaria o dia todo.

A real é que o único lugar que ela não pedia era na escola.

Ainda tinha um detalhe que me deixava louca, ela perdia muita chupeta. Escondia, deixava cair, sei la…  só sei que sumia direto. Comecei a comprar o que tivesse de mais barato nas lojas, do modelo que tivesse, e mesmo assim ela chupava. Chegava até a ser engraçado a variedade de bicos e marcas que ela tinha ao mesmo tempo e nunca recusou nenhuma.

O uso da chupeta na Manu me preocupava um pouco. Primeiro porque ela é muito tímida, e aproveitava a chupeta para ficar mais quietinha ainda. E depois porque estava nítido que já estava prejudicando sua fala. Pois  o pouco que ela conversava, estava sempre com a chupeta na boca.

Acabei sendo mais tolerante com a Manu , ainda mais depois da minha separação. Ficava com dó quando ela pedia, acabava cedendo… e ainda era um recurso muito rápido para acalmá-la. Então realmente confesso que usei e abusei da chupeta até como uma ajuda para mim. ( #quemnunca). E acho que eu mesma me apeguei a chupeta pois sempre me encantei com o sugar e como isso acalma a criança… sempre fui daquelas que achava “fofo” a criança sugando dormindo, o movimento da chupeta e o barulhinho…. enfim…

Porém os ataques dela pela chupeta me irritavam muito. Era só pedir e eu negar, ou procurar por uma chupeta e não encontrar, que o escândalo reinava. Choradeira, birra, e assim vai.

Em um desses ataques, um dia após jantar, ela se jogou no chão gritando dizendo que queria uma chupeta e não encontrava. E lá fui eu, em mais uma possível negociação frustrada dela largar esse vicio: ” Manu, vamos parar de chorar? O que você acha da gente aproveitar que a pepê sumiu e parar com isso. Vamos pedir para a fada buscar, você já é mocinha, não precisa mais…. a mamãe vai ficar muito orgulhosa…”

E para minha surpresa ela me olhou e disse: ” Tá bom mamãe, eu não quero mais”!

A Bruna olhou para mim, meio que duvidando…. e ainda perguntou para ela: ” Você não quer mais pepê Manu?”

E ela disse firme: NÃO!

Eu não estava acreditando, mas incorporei e dei um abraço nela, festejamos, mostrei o quanto eu estava orgulhosa e ela ficou muito feliz. Não parava de falar, pular, cantar. Nunca vi a Manu desse jeito. Estava orgulhosa dela mesma e firme, muito firme.

Eu me segurei, só queria chorar. Como pode aquela pequenina, que parecia tão fragil e insegura tomar uma decisão assim do nada?

Já era hora de dormir, mas estavamos todas muito agitadas. Principalmente a Manu.

Sentei no banquinho em frente a cama delas e ficamos conversando e brincando. Até que a Manu começou a bocejar e então eu disse; “Vamos escrever uma carta linda para a fada e deixar com as chupetas na varanda. Amanhã ela vem buscar e antes de você voltar da escola vai trazer um presente lindo!”

Escrevemos a carta, ela mesma pegou a chupeta e colocou ao lado.

Era então hora de dormir… Será que ela não ia chorar?

Cada uma foi para sua cama, e é claro, Manu estava super agitada.  Bruna dormiu em 2 minutos, mas a Manu não conseguia dormir de maneira alguma.

Fiquei ao seu lado, conversamos, contei historia… por nenhum momento ela pediu a chupeta. Estava impaciente, queria sugar, segurar, cheirar, mas se manteve firme. Quase morri de dó. E em um deslize ofereci uma chupeta furada ( assim nao teria risco dela chupar), so para ela fazer o cheirinho no nariz.

Ela disse que não queria e perguntou se podia deitar a cabeça no meu colo.

Eu deixei é claro. E então ela pegou na minha mão e dormiu.

Eu obviamente desabei depois que sai do quarto. Chorei de emoção e também de alivio por não ter que tirar a chupeta com traumas. Chorei também de orgulho da minha pequenina.

No dia seguinte ela acordou toda animada. Não pediu a chupeta nenhuma vez.

Assim que deixei na escola fui correndo ao shopping comprar o “tal” presente que a fada traria.

Preparei uma cartinha fofa, embrulhei o presente com umas moedinhas de chocolate ( que ela pediu) e deixei na varanda.

Quando ela chegou foi aquela festa…. ela estava toda feliz e orgulhosa do presente e da mensagem que a fada tinha deixado.

20160517_205534_resized

 

Brincamos um pouco e ela acabou caindo e batendo o braço na mesa. Começou a chorar e automaticamente o choro vem junto da palavra “pepê”. Aí foi um perrengue….ela nem lembrava mais que tinha entregado as pepês, e queria uma de qualquer maneira. Morri de dó. Mas tive que ser firme.

Foram 2 horas de choradeira e escândalo total para conseguir dormir. Até que foi vencida pelo cansaço e capotou.

Desse dia em diante ela pediu a chupeta alguns momentos. Mas todos quando estava chorando por qualquer motivo que fosse. Nenhuma vez pediu na hora de dormir.

O que acontece é que um pouco antes eu tinha tirado a fralda da noite e também tirado as duas do meu quarto ( assunto para um proximo post!), então foi muita mudança na cabecinha dela de 3 anos. Com isso deu uma “embaralhada” na rotina da noite e desde o dia que ela largou a chupeta, tenho que ter muita paciência na hora de dormir e pela madrugada, pois não tive uma noite inteira sem ser interrompida.

O que antes levava apenas 5 minutos para ela deitar e capotar, leva no mínimo 1 hora. E nessa hora ela levanta, muda de lado, fica cantando, falando, pedindo água, acorda a Bruna…. e eu que já estou exausta, respiro fundo e tento não perder a paciência. Termina que todo dia ela só consegue dormir se eu deixar deitar no meu colo. Então eu sento na sua cama, ela deita no meu colo, e dorme.

Tentei não me render à esse novo vicio, mas meu coração não permitiu. Fiquei com receio que ela se sentisse insegura nessa fase, e não custa nada dar um pouco de colinho antes de dormir. Mesmo assim, é todo um processo até ela se render ao sono.

Somado a isso as inúmeras acordadas de madrugada, seja para vir para minha cama, seja para contar que escapou o xixi , seja para pedir para ir ao banheiro.

E assim tem sido nesses últimos exatos 30 dias…

Estou exausta, mas consciente que estou próxima a uma fase muito boa!

E que ela não saiba… mas todas as “pepês” estão guardadinhas no meu armário… uma recordação que sempre terei delas pequenas…

6

Comentários 2

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 Comentário:Adeus Chupetas !!!

  1. Bruna

    Parabéns!!!! Muito feliz pela conquista da pequenina! Com a minha, a chupeta foi fácil…o difícil mesmo é fazê-la comer! Um caos! Mas cada conquista delas, é uma vitória imensa p todas nós (filhas e mães), e vê-las se tornando mocinhas é uma alegria sem tamanho! Bjsss e boa sorte!

  2. Ana paula

    Parabéns pela conquista da Manu!! Por aqui a entrega da chupeta para a fada nos rendeu 2 dias inteiros de febre… Me rendi e devolvi… A febre passou na hora!! 🙁 Aguardando a próxima oportunidade!! Bjss, adoro seu blog e insta!!